Siga 17 regras para evitar acidentes domésticos com crianças

Nada mais natural do que uma criança que mexe em tudo, afinal explorar o ambiente à sua volta faz parte do desenvolvimento. Para que isso não vire uma tragédia, porém, é preciso que pais e responsáveis saibam que muitos dos acidentes na infância ocorrem dentro de casa e poderiam ter sido evitados com medidas simples de segurança. Segundo pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde, a maioria das quedas até os 9 anos de idade, por exemplo, se deu no lar doce lar.

Informações coletadas em unidades de urgência do Sistema Único de Saúde (SUS) de 37 cidades brasileiras mostraram que, dos 10.988 atendimentos a crianças nessa faixa etária, 5.540 (50,4%) foram provocados por quedas – sendo que a maioria, 3.838 (69%), dentro da casa das vítimas.

“É muito fácil prevenir, com hábitos que parecem óbvios e simples, mas que podem salvar vidas ou evitar que crianças vivam com sequelas de um acidente”, alerta a cirurgiã pediátrica Simone de Campos, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), e membro da ONG Criança Segura (www.criancasegura.org.br). Cabe, portanto, ao adulto, garantir um ambiente seguro à criança, que nunca deve ficar sozinha em casa ou ser cuidada por outras crianças.

“Os pequenos aprendem com o exemplo dos pais. São eles que precisam orientar os filhos sobre precauções com a segurança dentro e fora de casa”, afirma. Parecem bobos e sem importância, mas os cuidados precisam fazer parte do dia-a-dia de forma preventiva, como uma vacina. Confira as principais orientações:

1. Instale grades ou redes de proteção nas janelas, sacadas e mezaninos.
2. Não deixe cadeiras, camas e bancos perto de janelas, pois as crianças podem escalar e se debruçar. O mesmo vale para móveis baixos perto de estantes e armários altos.
3. Instale portões de segurança no topo e pé das escadas. Se a escada for aberta, opte por redes ao longo dela.
4. Cuidado com chão liso e tapetes. Não encere o piso e providencie antiderrapantes nos tapetes para evitar escorregões. Na maioria das quedas infantis atendidas nos postos do SUS, as crianças caíram do mesmo nível, ou seja, as quedas foram causadas por tropeções, pisadas em falso ou desequilíbrios.
5. Oriente seu filho a brincar em locais seguros. Escadas, sacadas e lajes não são espaços de lazer.
6. Crianças com menos de 6 anos não devem dormir em beliches. Se não houver outro local, instale grades de proteção nas laterais.
7. O uso de andadores não é recomendado pela Sociedade Brasileira de Pediatria, pois pode comprometer o desenvolvimento e causar sérias quedas.
8.Quando for trocar fralda, mantenha sempre uma mão segurando o bebê. Nunca deixe um bebê sozinho em mesas, cama e outros móveis, mesmo que seja por um instante.
9. Proteja as tomadas com protetores específicos ¿ baratos e facilmente encontrados em home centers, supermercados e lojas de produtos infantis. Além disso, oriente seu filho a não colocar o dedo na tomada, pois ele pode frequentar outros locais que não tenham a proteção. Cuidado: as queimaduras elétricas podem ser graves, expondo a criança ao risco de morte e seqüelas.
10. Não deixe o ferro de passar quente ao alcance da criança, mesmo que esteja desligado.
11. Os cabos das panelas devem ficar virados para dentro do fogão.
12. Use protetores nas portas para evitar que a criança prenda a mão ou dedos.
13. Para uma criança se afogar, bastam 2,5 cm de profundidade. Cuidado, portanto, com água em baldes e tanques, além de vasos sanitários e piscinas sem proteção adequada.
14. Teste a temperatura de alimentos líquidos e sólidos antes de oferecer à criança.
15. Antes do banho, teste a temperatura da água da banheira com a parte interna do cotovelo.
16. Nunca deixe remédios ao alcance das crianças, nem faça associação de medicamentos com balas e doces.
17. Não coloque produtos de limpeza em embalagens de alimentos e refrigerantes. A criança pode confundir e ingerir. Evite também deixá-los na parte de baixo de pias e armários.

Fonte: Terra.com

Glossário: o que significam os principais termos da área de seguros

,

Na hora de assinar um contrato para fechar um seguro, é importante que o contratante esteja por dentro do significado dos termos usados. Esse conhecimento pode evitar muitas dúvidas e dores de cabeças posteriormente.

Pensando nisso, separamos, aqui neste post, os termos mais utilizados pelo mercado e o que significam. Confira!

Adesão: O ato ou efeito de aderir ao contrato de seguro; contrato de adesão.

Aditivo: É o termo utilizado para definir instrumento do contrato de seguro utilizado para alterar a apólice sem alterar a cobertura básica nela contida, ou o mesmo que endosso.

Agravação de risco: Termo utilizado para definir as circunstâncias que aumentam a intensidade ou probabilidade de tornar o risco mais grave do que originalmente se apresentava no momento da contratação do seguro.

Apólice: É o instrumento do contrato de seguro pelo qual o segurado repassa à seguradora a responsabilidade sobre os riscos estabelecidos.

Avaria: Nome empregado no Direito Comercial para designar os danos às mercadorias, em quaisquer circunstâncias.

Averbação: Documento comprobatório da efetivação do embarque das mercadorias objeto do seguro (Circular SUSEP 354/07).

Aviso de sinistro: Comunicação à seguradora da ocorrência do evento previsto na apólice.

Beneficiário: É a pessoa física ou jurídica a favor da qual é devida a indenização em caso de sinistro.

Benefício: Importância que o segurador deve pagar na liquidação do contrato, e que consiste em um capital ou uma renda, no seguro de vida

Bônus: Termo que define o desconto a ser concedido ao segurado na renovação de determinados tipos de seguro, por ter apresentado experiência satisfatória ao segurador durante o período de vigência do seguro.

Caducidade: É o término de um direito pelo seu não exercício em um intervalo de tempo ou pelo não cumprimento de obrigações estipuladas.

Capital segurado: A importância segurada no seguro de vida e de acidentes pessoais.

Carência: Período durante o qual a seguradora está isenta de pagamento dos riscos segurados.

Carteira: Conjunto de contratos de seguros, de um mesmo ramo ou ramos parecidos, emitidos pela seguradora.

Cobertura: Garantia de proteção contra o risco de determinado evento.

Depreciação: A redução do valor de um bem, móvel ou imóvel, depois de uma avaliação.

Dolo: É toda espécie de artifício ou engano promovido por uma pessoa, com a intenção de induzir outros à prática de um ato jurídico, em prejuízo deste e proveito próprio ou de outrem, ou seja, é um ato de má-fé.

Endosso: Documento expedido pelo segurador, durante a vigência do contrato, pelo qual este e o segurado acordam quanto à alteração de dados, modificam condições ou objetos da apólice, ou o transferem a outras pessoas.

Franquia: Valor inicial da importância segurada, pelo qual o segurado fica responsável como segurador de si mesmo.

Importância segurada: É o valor monetário atribuído ao patrimônio ou às consequências econômicas do risco sobre expectativa de prejuízos para o qual o segurado deseja a cobertura do seguro.

Indenização: É a contraprestação do segurador ou segurado, que, com a efetivação do risco, veja a sofrer prejuízos de natureza econômica.

Inspeção prévia: É toda inspeção de risco efetuada em local nunca segurado, por ser novo ou desconhecido pelo segurador em questão, ou seja, quando não houver nenhuma apólice relativa às coberturas desejadas.

Jurisprudência: Modo uniforme pelo qual os tribunais interpretam e aplicam determinadas leis.

Mutualismo: Esse é o princípio fundamental que constitui a base de toda operação de seguro. É pela sua aplicação que as empresas conseguem repartir os riscos tomados, diminuindo assim os prejuízos que a realização de tais riscos poderia lhes trazer.

Pecúlio: Tem o mesmo significado de capital segurado pagável por morte do segurado, sob a forma de capital fixo ou único, corrigível ou não.

Penalidade: Sanção prevista por lei, regulamento ou contrato para determinados casos.

PGBL: Plano Gerador de Benefício Livre

Prêmio: Soma em dinheiro paga pelo segurado ao segurador para que este assuma a responsabilidade de um determinado risco.

Pro Rata Temporis: É um método de calcular-se o prêmio de seguro com base nos dias de vigência do contrato quando este for realizado por período inferior a 1 ano e sempre que não cabível o cálculo do prêmio a Prazo Curto.

Responsabilidade: Termo empregado em diversas oportunidades, inclusive na própria regulamentação das operações de seguros, para designar a importância segurada ou ressegurada.

Resseguro: Operação pela qual o segurador, com o fito de diminuir sua responsabilidade na aceitação de um risco considerado excessivo ou perigoso, cede a outro segurador uma parte da responsabilidade e do prêmio recebido.

Segurado: Pessoa em relação a qual a seguradora assume a responsabilidade de determinados riscos.

Seguradora: Empresa autorizada pela SUSEP a funcionar no Brasil, e que, recebendo o prêmio, assume o risco e garante a indenização em caso de ocorrência de sinistro amparado pelo contrato de seguro.

VGBL: Vida Gerador de Benefício Livre – produto destinado a formação de poupança resgatável.

Esperamos que, com esse nosso glossário, a hora de fechar negócio seja muito mais tranquilo. Tem algum termo que não está aqui e que você quer saber o significado? Conta pra gente! 🙂

Veja 5 cuidados que você deve ter com casa de veraneio

Durante as férias escolares, imóveis na praia ou no interior ficam cheios de vida. Porém, dependendo do período que passam desocupados, podem adquirir um aspecto de abandono — sujeitando-se ao aparecimento de pragas, mofo e, pior ainda, à ação de vândalos e ladrões. Por isso, quem tem uma casa de veraneio precisa tomar alguns cuidados para mantê-la a salvo de problemas.

Neste post, conheça 5 dicas essenciais para proteger o refúgio da família entre as temporadas de descanso. Com elas, a tranquilidade das próximas férias é garantida!

1. Reforce a estrutura do imóvel e faça com que pareça de difícil acesso

Não basta trancar portas e janelas. Os dispositivos de fechamento têm de ser eficientes para desestimularem a ação de possíveis oportunistas — os quais, geralmente, optam por entrar em residências que requerem menos esforço.

Para proteger sua casa, faça com que se pareça de difícil acesso. Vale a pena instalar uma cerca tradicional (prefira a concertina dupla clipada em vez do arame farpado). Arbustos espinhosos também ajudam a completar a barreira.

Além disso, invista em boas fechaduras e, se possível, coloque grades de ferro nas portas de entrada (maciças, com guarnições reforçadas e dobradiças que impedem a remoção dos pinos) e janelas.

2. Cheque o funcionamento dos sistemas de segurança

Caso o imóvel tenha algum sistema de segurança, como alarmes monitorados, é preciso testá-lo antes de ir embora. Por isso, agende a manutenção preventiva dos equipamentos com a empresa que realiza o monitoramento do seu imóvel.

Ao mesmo tempo, para evitar que ventos fortes provoquem falsos disparos, mantenha as portas internas trancadas e as plantas podadas. No caso de árvores nas calçadas, solicite a poda para a Secretaria Municipal do Meio Ambiente.

O funcionamento de lâmpadas com sensores de presença, dispostas em locais estratégicos, como nos muros e fachadas do imóvel, também precisa ser conferido.

3. Recolha objetos do quintal e evite a exposição das áreas internas

Mesmo que o mobiliário do jardim ou da área da piscina seja próprio para o uso ao ar livre, mantê-los protegidos de um temporal, por exemplo, ajuda a prolongar sua vida útil.

Também é importante guardar escadas e ferramentas em um local trancado, para que não facilitem tentativas de arrombamento. Peça para os vizinhos mais próximos tomarem o mesmo cuidado em seus quintais.

Por fim, evite que eletrodomésticos visados (televisores, micro-ondas, entre outros) possam ser vistos através das janelas, mantendo as cortinas fechadas.

4. Faça um seguro residencial específico para a casa de veraneio

Ainda que você tome todas as medidas de segurança sugeridas, inconvenientes acontecem. Para evitar surpresas desagradáveis e ter o merecido descanso quando retornar para as próximas férias, faça um seguro residencial para a casa de veraneio.

Além de ter um baixo custo e ampla proteção, a cobertura garante o ressarcimento, de acordo com a apólice contratada, para que possíveis danos (aparelhos queimados, vidros quebrados, furtos, entre outros) possam ser reparados o mais rápido possível.

Isso sem falar na conveniência dos serviços emergenciais 24h, como chaveiro, encanador e eletricista — essenciais na hora de resolver imprevistos.

5. Troque contatos com vizinhos e contrate um caseiro

Se algum vizinho residir permanentemente na região, é importante trocar contatos para que, caso ocorra algum problema, vocês possam se comunicar imediatamente.

Contratar um caseiro de confiança para cuidar da manutenção básica, como limpar a piscina e recolher folhas do quintal, também é importante. O colaborador pode ir ao imóvel uma ou duas vezes por semana, apenas para evitar o aspecto de abandono.

Com esses cuidados, a casa de veraneio pode ser deixada fechada por meses sem o risco de se deteriorar. Assim, antes de partir e voltar à rotina de trabalho, é importante tomar essas providências. Além de evitar prejuízos e dores de cabeça nas próximas férias, garantir que a manutenção do imóvel esteja em dia colabora para a valorização do patrimônio ao longo do tempo.

Fonte: Meu Porto Seguro

Estresse no trabalho? Confira dicas para manter a calma

O estresse é considerado um dos maiores males da atualidade, sendo que muitas das vezes, este problema está diretamente relacionado com o trabalho. Para se adaptar às novas tendências e manter sua competitividade, as empresas têm que continuar mudando e, consequentemente, cobram mais de seus funcionários. Essas situações em muito contribuem para um aumento do estresse.

O estresse traz consequências para os indivíduos, para as empresas e até mesmo para a sociedade. Pessoas acometidas por este mal podem apresentar hipertensão, distúrbios gástricos, fadiga, distúrbios do sono, depressão, síndrome do pânico, taquicardia e muitas outras condições. Estes distúrbios reduzem a produtividade e refletem no trabalho, podem levar a maior índice de absenteísmo, menor produtividade em atividades, tanto individual quanto em equipe, atrasos na entrega de projetos, perda de oportunidades, erros, acidentes de trabalho, maiores custos com saúde e maior turnover.

Em leves doses o estresse pode ser positivo, pode levar a mudanças necessárias à vida do indivíduo e a melhoras no ambiente de trabalho. O problema é quando este se torna prolongado e intenso, sendo assim, prejudicial à saúde.

O estresse ocupacional acaba surgindo de uma desigualdade entre as demandas existentes no trabalho e a habilidade ou possibilidade do trabalhador em enfrentá-las. As causas para o estresse no ambiente de trabalho podem ser muitas, podem estar relacionadas ao conteúdo do trabalho (trabalho monótono, alta competitividade, grande volume, prazos curtos, insegurança) ou contexto do trabalho (pagamentos, carreira, relações com colegas, falta de autonomia, longas jornada, mudanças na estrutura da empresa).

A mudança de hábitos é fundamental para ter um resultado positivo contra o estresse. É importante cuidar bem do corpo e da mente, seja com práticas esportivas e de meditação. Uma melhor comunicação entre gestores e funcionários é um bom ponto de partida.

Dentre as ações de redução do estresse pode-se citar: conservar o bom relacionamento no ambiente laboral, gerenciar o tempo de trabalho para cada atividade, responsabilidades mais adequadas, maior liberdade para agir, fatores como a autoconfiança e não se sentir constantemente pressionado contribuem para o bem-estar.
Fora do ambiente de trabalho, o incentivo a hobbies também é muito importante, são fontes de distrações e dão a sensação de prazer.

Busca-se com tudo isso criar uma organização saudável. A chamada organização saudável não é aquela em que todos os indivíduos têm saúde perfeita, mesmo porque tal situação é inalcançável. Uma organização saudável pode ser descrita como uma que equilibra as necessidades dos funcionários, da empresa e de seus clientes.

Dicas para combater o estresse:

  • Identifique a causa;
  • Tenha uma alimentação saudável;
  • Procure apoio psicológico, de um profissional ou mesmo da família e amigos;
  • Pratique atividades físicas;
  • Faça atividades prazerosas;
  • Lide com os desafios como quem conhece algo interessante;
  • Procure olhar o lado positivo dos fatos e situações;
  • Seja mais organizado. Jogue fora o que não serve mais para sua vida;
  • Durma bem;
  • Por fim, não leve trabalho para casa!

Fonte: Meu Porto Seguro

Conheça 5 cuidados com o carro que você precisa ter diariamente

Você já ouviu falar de manutenção preventiva? Muitas pessoas pensam que os cuidados com o carro começam quando há problemas, mas, na verdade, prevenir é melhor que remediar. E não pense que esse tipo de manutenção deve ser feito apenas na oficina mecânica. Para conservar o seu veículo sempre novinho, você pode começar a cuidar dele na garagem de casa.

A manutenção preventiva envolve inúmeras atitudes que você pode e deve adotar no dia a dia, antes mesmo de dar a partida. Hoje, vamos mostrar quais são os principais cuidados diários que você precisa ter com o seu carro. Vamos lá?

1) Calibre os pneus

Utilizar a calibragem correta dos pneus do seu carro é muito importante para uma série de fatores. E um deles é o seu bolso. Pneus muito vazios ou cheios em excesso se desgastam de forma irregular, diminuindo a vida útil do componente e, como se não bastasse, forçando a suspensão e os amortecedores.

Portanto, observe qual é a recomendação do fabricante para o seu carro. Essa informação pode ser encontrada no manual do proprietário ou em adesivos afixados nos batentes da porta e na abertura do tanque de gasolina.

Não é necessário calibrar todos os dias (geralmente, uma vez por semana é um bom prazo), mas é recomendável verificar as quatro rodas antes de sair, para que você veja se não há algum furo ou outro sinal de problema, como bolhas ou pneus vazios demais.

2) Verifique o nível da água e dos lubrificantes

Em geral, os sistemas de óleo e arrefecimento devem manter o nível dos líquidos até o momento da troca. Entretanto, a verificação periódica é necessária, pois pode haver vazamentos. No caso da lubrificação, o consumo alto pode indicar problemas mais graves no motor, que podem se tornar ainda piores caso você demore para acionar o mecânico.

Quanto ao sistema de arrefecimento, se for necessário completá-lo utilize o mesmo tipo de aditivo que já está no reservatório.

3) Fique atento a barulhos

Ouvir música no carro é uma delícia, mas, ao sair pela primeira vez no dia, tente rodar alguns quilômetros com o som desligado. Essa é a hora de procurar sinais de que algo pode não estar em ordem. Chiados no freio, batidas na suspensão ou ruídos no motor são a indicação de que o mecânico precisa ser acionado. Se a situação se prolongar, o defeito pode se tornar ainda mais grave, sendo que o conserto sairá mais caro.

4) Mantenha o carro limpo

Além da questão estética, a limpeza do carro é importante para mantê-lo sempre conservado. No dia a dia das ruas, a pintura pode receber detritos capazes de manchá-la irreversivelmente, o que fará com que você precise investir um bom dinheiro no futuro.

Também é importante ficar atento à limpeza do ar-condicionado, que deve ser feita por profissionais ao menos uma vez por ano.

5) Observe o consumo

Se o consumo de combustível estiver muito alto, é sinal de que algo não vai bem no motor. O carro pode estar fazendo mais esforço do que o normal para ganhar velocidade e, com isso, o desgaste de componentes importantes pode trazer sérios problemas no futuro. Faça uma tabela e acompanhe diariamente a quantidade de combustível gasto.

Fonte: Locamérica

Saiba como proteger sua casa de chuvas e temporais

Em questão de poucos minutos, o dia se transforma em noite: o céu ensolarado dá lugar a nuvens escuras e extremamente carregadas. Para algumas pessoas, o prenúncio de que chuvas e temporais estão a caminho é um motivo para ficar alerta.

Tamanha preocupação se justifica: os estragos provocados podem ser devastadores, especialmente para quem vive em regiões de risco. Mesmo que este não seja o seu caso, a adoção de algumas medidas preventivas é sempre prudente.

Afinal de contas, é compreensível que as pessoas queiram proteger sua casa da fúria da natureza. Neste post, listamos alguns cuidados essenciais para assegurar a integridade de sua família e de seu patrimônio.

Feche todas as janelas

Embora existam serviços especializados, vale lembrar que nem sempre a previsão do tempo é infalível. Ainda que os meteorologistas tenham alertado para a ocorrência de chuvas, a água pode cair com mais intensidade do que o esperado.

Especialmente no verão, é comum que o volume estimado para um mês inteiro seja registrado em poucos dias, ou mesmo em algumas horas. Na estação mais quente do ano, chuvas e temporais costumam ser frequentes.

Assim, a primeira orientação é fechar as janelas, tão logo o tempo comece a escurecer. Sempre que não houver ninguém na residência, faça isso antes de sair: em caso de uma viagem prolongada, tome também outros cuidados. Afinal de contas, bastam alguns minutos de água caindo para provocar um estrago.

Na melhor das hipóteses, a sua distração vai lhe render “apenas” o trabalho de secar o chão. Num cenário mais catastrófico, porém, objetos que estão próximos à janela podem ser inutilizados pela infiltração da água. A umidade também é prejudicial para pisos de madeira e carpetes.

Desconecte aparelhos da tomada

Outra dica bastante útil dentro de casa é desconectar aparelhos eletrônicos da tomada. Essa é uma providência necessária para evitar que eles sejam queimados pela sobrecarga de energia.

E as estatísticas mostram que há fundamento para se preocupar. Levantamento do Grupo de Eletricidade Atmosférica (ELAT), mantido pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), aponta que o Brasil é líder mundial na incidência de raios por ano.

Mais comuns na primavera e no verão, o país atinge a impressionante marca de 50 milhões de descargas elétricas neste intervalo de tempo. Para efeito de comparação, o impacto provocado por um relâmpago é mil vezes mais potente do que a corrente elétrica que passa pelo fio de um chuveiro.

Para casos de apagões, tenha em mãos sempre uma lanterna ou então geradores de pequeno porte. Embora relativamente comum nesta situação, o uso de velas para iluminar o ambiente não é recomendável, tendo em vista o risco de acidentes por descuido no manuseio.

Limpe calhas e ralos

Visando evitar dores de cabeças provocadas por chuvas e temporais, providencie também a limpeza de calhas e ralos, para permitir o escoamento da água. O acúmulo de galhos e folhas provoca o entupimento, ampliando as chances de ocorrer um transbordamento.

Quanto aos pisos, são dois os cuidados básicos: recomenda-se a opção por modelos antiderrapantes para amenizar o risco de acidentes por conta do chão molhado, especialmente quando há idosos ou pessoas com mobilidade reduzida. Do mesmo modo, o ideal é que o caimento favoreça o fluxo do líquido até os ralos.

Invista em manutenção periódica

Outro ponto importante é investir em uma manutenção periódica. Assim, será possível verificar continuamente o estado da fiação elétrica — essa medida afasta o risco de um curto-circuito — bem como a existência de umidade e infiltrações nas paredes.

Também como medida preventiva, confira a conservação dos telhados, estrutura da casa que mais costuma ser atingida com os temporais. Com o auxílio de uma escada, verifique se as telhas estão intactas e bem encaixadas. Constatada alguma falha, providencie a substituição imediata das peças com defeito.

Caso contrário, podem surgir os conhecidos pontos de goteiras. Outra solução para esta área é a aplicação de produtos impermeabilizantes ou a substituição de telhas de cerâmica pelas de cimento, reconhecidas por sua durabilidade.

Na lista de itens que devem ser periodicamente revisados também estão os vidros. Com a força dos ventos, é possível que eles se quebrem, gerando estilhaços por toda a proximidade, o que pode se transformar em um grave acidente caso haja alguém por perto.

Fonte: Meu Porto Seguro

Expansão do setor gera oportunidades para profissionais do seguro

,

O setor de seguros segue apresentando um cenário promissor e os resultados recentes comprovam esse avanço. Em 2017, o segmento registrou aumento de 7%, segundo dados da CNseg. Para este ano, a perspectiva de expansão é de 7,2% a 8,6%.

O crescimento verificado aponta o mercado de seguros como um dos mais relevantes para a economia brasileira, o que também gera novas oportunidades para os profissionais do ramo. Para quem deseja construir carreira no setor, uma das graduações mais indicadas e a mais procurada é a de Administração.

O administrador é o responsável pelo gerenciamento de recursos financeiros, materiais ou humanos de uma empresa. Cabe a esses profissionais definir estratégias e gerenciar o dia a dia da organização.

A Escola Nacional de Seguros oferece, no Rio de Janeiro (RJ) e em São Paulo (SP), o Bacharelado em Administração com Linha de Formação em Seguros e Previdência. Com duração de quatro anos, o curso permite que o profissional atue em todas as áreas de administração, além de propiciar conhecimentos específicos sobre no setor de seguros.

Além do Bacharelado, a Escola também oferece outro curso de nível superior: o Tecnólogo em Gestão de Seguros. Ministrado na capital fluminense, o curso tem duração de dois anos e oferece aptidões práticas e instrumentais da Administração. O tecnólogo também garante aos formandos a gratuidade para o Exame para Habilitação de Corretores de Seguros, possibilitando a atuação como corretor.

Inscrições e informações

As inscrições estão abertas para ambos os cursos e o processo seletivo acontecerá no dia 14 de julho, às 10 horas. As aulas terão início no dia 6 de agosto.

Mais informações estão disponíveis neste link.

Fonte: Revista Apólice

3 riscos do vazamento de gás

Evite os riscos trazidos por problemas nos aquecedores, no fogão ou manuseio incorreto do botijão de gás.

Explosão e incêndio

O gás é uma substância altamente inflamável, daí sua utilidade em fogões e aquecedores. Uma simples faísca é capaz de gerar uma explosão e ainda aumentar o risco de um incêndio.

Asfixia

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, o GLP (ou gás liquefeito de petróleo, como também é chamado o gás de cozinha) não tem odor próprio, e o cheiro que sentimos quando há um vazamento é causado por um produto adicionado ao gás justamente para que possamos detectar quando há algo de errado. E apesar de não ser tóxico, o gás pode causar asfixia, já que respirá-lo significa inspirar menos ou nenhum oxigênio.

Aumento na conta

Além dos riscos mencionados acima, mesmo quando o vazamento é pequeno, ele aumenta sua despesa com gás, já que o GLP vazado é desperdiçado.

Aumentos significativos na conta de gás ou na frequência de troca dos botijões, portanto, podem apontar para um vazamento no local. Fique atento a sua conta para detectar se há algo de estranho, dessa forma, você pode resolver o problema antes que ele se agrave.

Como detectar o vazamento de gás

Além do aumento nos gastos com o GLP e o cheiro característico, existem outras evidências do vazamento de gás:

-Passe uma esponja com água e sabão nas conexões, se aparecerem bolhas, é sinal de vazamento.

-Feche as válvulas ou os registros perto dos aparelhos de gás e confira, durante 20 minutos, se ainda assim há algum consumo.

-Tubulações de gás enferrujadas também podem ser sinônimo de problemas.

O que fazer em caso de vazamento

Se a hipótese do vazamento for confirmada, siga os passos a seguir:

-Imediatamente, feche o registro ou a conexão de gás.

-Evite encostar em aparelhos elétricos e interruptores do local.

-Os ventiladores não podem ser utilizados de forma alguma, já que podem soltar faíscas.

-Caso seu gás seja encanado, entre em contato com seu fornecedor. Do contrário, ligue para os bombeiros pelo 193 e acione também a companhia que forneceu seu botijão.

Como prevenir o problema

A instalação de gás mal realizada é tão grave quanto a precariedade de uma rede elétrica. Para prevenir problemas, o gás, em botijão ou encanado, bem como os aparelhos que o utilizam, deve ser instalado por um profissional em um local onde haja boa ventilação para que se dissipe no caso de um vazamento. Fazer uso de gás em um lugar fechado é extremamente arriscado.

Agora que você já sabe como identificar e prevenir o vazamento de gás e conhece também os riscos que esse problema pode trazer, compartilhe as dicas com seus amigos e familiares, assim, todos ficam atentos protegidos!

Fonte: Meu Porto Seguro

Dicas de como aproveitar as férias em segurança

O período de férias é sinônimo de diversão para a criançada. Com a época chegando, os pequenos e as pequenas tendem a passar mais tempo em casa ou viajando com os pais ou os responsáveis. No entanto, para evitar acidentes, é necessário que a atenção seja redobrada. Usar equipamentos de segurança em automóveis e colocar telas de proteção em janelas são medidas preventivas necessárias.

Segundo pesquisa realizada pela Organização Não Governamental (ONG) Criança Segura Kids Brasil, cerca de 90% dos acidentes ou lesões com crianças podem ser evitadas. “O principal cuidado é a supervisão. Crianças são muito criativas e curiosas, por isso a atenção constante enquanto estão brincando é muito importante”, alerta Gabriela Guida, coordenadora nacional da entidade.

Segundo a profissional, é necessário que os pais ou os responsáveis tenham conhecimento dos riscos para poder tomar certos cuidados. “O principal erro é a falta de conhecimento sobre os acidentes e como eles acontecem. Para preveni-los, é importante buscar informação, pois eles são evitados com medidas simples de prevenção”, destaca.

Para que crianças curtam as férias com segurança, as Revistas O POVO listaram algumas dicas de proteção baseada nos alertas mencionados por Gabriela. Confira que medidas pais e responsáveis devem tomar.

Em casa
1- Guardar os recipientes de limpeza longe do alcance das crianças é extremamente importante.
2- Certificar-se de que os brinquedos estão em boas condições e que não apresentam risco de machucar as crianças.
3- Colocar em locais molhados, como banheiro, tapetes antiderrapantes é uma maneira simples de evitar acidentes.
4- Se a criança tiver acesso à cozinha, é importante certificar-se de que o fogão e as panelas estão fora do seu alcance.
5- Tomar cuidado com os sacos plástico, pois eles podem oferecer risco de morte de sufocação.

Em viagens
1- Consultar um pediatra para verificar a saúde da criança antes da viagem é extremamente necessário.
2- Ter sempre em mãos o cartão de vacina.
3- Não se esquecer de levar uma bolsinha com medicamentos que a criança costuma tomar.
4- Se for viajar de carro, usar sempre dispositivos de retenção veicular (bebê conforto, cadeirinha ou assento de elevação) e verifique se a criança atende aos limites de peso e tamanho que o dispositivo indica.
5- Se for para algum hotel ou casa de familiar, é importante verificar as condições de segurança do local.

 

Fonte: Revista O Povo

Por que fazer uma previdência privada?

Todos buscam uma forma de garantir um futuro um pouco mais tranquilo e confortável, especialmente quando falamos dos aspectos financeiros. Nesse caso, muitas pessoas buscam a Previdência Privada como uma forma de ter uma menor dependência do Governo Federal.

Mas algumas dúvidas podem surgir no meio do caminho. O que é a Previdência Privada? Quais as suas diferenças para a Previdência Social?

Nós respondemos essas e mais algumas perguntas aqui abaixo. Confira!

 

O que é a Previdência Privada?

Ela é uma espécie de aposentadoria, mas não relacionada às contribuições realizadas junto ao INSS. A sua fiscalização é feita pela Superintendência de Seguros Privados, a SUSEP, um órgão do Governo Federal. Ela pode ser considerada complementar à previdência pública.

 

Qual a diferença em relação à Previdência Social?

Nos planos de previdência privada, o indivíduo poderá escolher o valor da contribuição e de quanto em quanto tempo ela será feita. Além disso, o valor investido pode ser resgatado pelo contribuinte, caso ela desista do plano no meio do caminho.

Ao escolher o melhor plano, é essencial que se esteja atento às formas de cobranças de impostos, que são a tabela regressiva e a tabela progressiva. Em geral, a tabela regressiva favorece quem pretende resgatar todo o dinheiro de uma só vez, enquanto a progressiva é mais vantajosa para quem quer receber a quantia em parcelas mensais. O regime tributário usado deve constar no contrato e ser informado antes da assinatura do documento pela entidade que oferece o plano.

 

Quais são os tipos de Previdência Privada que existem?

O Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL) é recomendado a pessoas com renda mais alta, uma vez que o valor pago ao plano pode ser abatido no Imposto de Renda (desde que esse valor represente até 12% de sua renda bruta anual). O diferimento de impostos em curto prazo também é uma grande vantagem para o investidor.

O Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL) é uma forma de investimento que não pode ser abatida para os contribuintes que declaram o Imposto de Renda no modelo simplificado, para profissionais autônomos que não têm recolhimento na fonte ou para quem quer aplicar um percentual maior do que 12% da renda anual na previdência. Porém, quando o dinheiro é sacado, o imposto cobrado é referente ao que o dinheiro investido rendeu.

Em ambos os planos, é possível escolher se a renda será recebida por um período de tempo ou se será vitalícia, além de determinar se os filhos e o cônjuge poderão continuar recebendo em caso de falecimento.

 

Quais são os requisitos para iniciar um plano de Previdência Privada?

Qualquer um pode iniciar um plano, sem idade mínima ou necessidade de comprovação de renda. Até mesmo os pais podem iniciar uma previdência bem cedo para os filhos.