A importância do treinamento e capacitação de funcionários das empresas

O treinamento e a capacitação de funcionários é um dos alicerces nas empresas. Apesar disso, nem sempre recebe a devida atenção que necessita. E esse é o assunto do nosso post de hoje.

O treinamento nas organizações serve para aliar gestores e colaboradores aos procedimentos da empresa, ao mesmo tempo em que desenvolve suas habilidades. Por isso, a prática deve ser considerada um momento de investimento, e não um curso ou perda de tempo. É durante esse tempo que os funcionários poderão compreender os valores, a filosofia e as políticas da empresa. Essas informações são essenciais para o desenvolvimento das tarefas e serviços, para que tudo seja feito de acordo com as diretrizes da empresa.

Para os colaboradores, as vantagens também são enormes. O seu desenvolvimento pessoal acompanha a motivação e a disposição, imprescindíveis para o seu sucesso e o das funções que desenvolve. E é sempre bom frisar que o treinamento não deve depender do currículo dos profissionais, uma vez que até mesmo os mais gabaritados precisam passar por uma capacitação direcionada pela própria empresa. Os gestores também devem participar ativamente do treinamento, para multiplicar e divulgar seus conhecimentos em busca de um bem comum.

A troca de informações entre gestores e colaboradores é essencial para o bom funcionamento de uma organização. Entre os principais assuntos que devem ser abordados, temos, entre outros:

  • Tendências do mercado
  • Inovações disponíveis
  • Produtos e serviços da própria empresa e de parceiros
  • Cursos e eventos voltados para o mercado

Assim, os profissionais estarão mais preparados de como ajudar ao máximo seus clientes, atendendo suas demandas da melhor forma.

Nosso diretor, Luiz Filipe, esclareceu, em vídeo, diversos pontos importantes sobre o assunto. Confira: https://bit.ly/2JMYL2P

É importante ressaltar, também, que tudo isso não é de uma hora para a outra. A preparação e a capacitação devem ser constantes, valorizando sempre o profissional e o incentivando a dar o seu melhor em suas tarefas diárias. Devemos lembrar sempre que o sucesso de qualquer organização está intimamente ligado ao desenvolvimento de seus funcionários.

 

4 dicas sobre seguros obrigatórios para condomínios

,

Você sabia que todo prédio de habitação é obrigado a ter um seguro, que é considerado uma despesa ordinária e deve vir no extrato do condomínio como despesa de manutenção do prédio? Pois é!

De acordo com a Lei 4.591/64, o seguro deve ser feito dentro de 120 dias, contados a partir da data da concessão do documento que comprova que o imóvel foi construído de acordo com as exigências estabelecidas pelo código de obras da prefeitura. O condomínio que ignorar essa regra estará sujeito a multa.

Para desmistificar a questão e tirar algumas dúvidas, separamos, aqui, 4 dicas sobre os seguros obrigatórios dos condomínios. Confira!

  • O Seguro deve abranger toda a construção, contando as áreas comuns e as autônomas, visando garantir algum sinistro que cause incêndio ou destruição da construção. A cobertura deve abranger riscos de incêndio, raios, explosões, danos elétricos, desabamentos, vendavais, queda de aeronaves, entre outros acidentes.
    Inclusive, é interessante que uma cobertura completa seja escolhida, já que, assim, nem o síndico nem os condôminos terão maiores problemas ou prejuízos caso venha a acontecer algum acidente no condomínio.
  • O síndico é o responsável pela contratação do seguro obrigatório em um condomínio, não sendo necessária a consulta em Assembleia. O que vale ser explicado aos condôminos em reunião, por questões de transparência na administração, é a escolha da seguradora, os valores, condições de pagamento, etc.
    Existem, é claro, algumas coberturas opcionais nestes seguros, como a danos em elevadores e portões automáticos, furto ou roubo de automóveis, etc. Essas sim deverão ser discutidas e aprovadas em Assembleia pelos moradores.
  • É importante ressaltar que o seguro cobre apenas o condomínio, e deve ser contratado de acordo com a lei, respeitando o seu valor de mercado ou o valor em relação ao IPTU. Também cabe dizer que, caso queira, o condômino pode contratar a complementação do seguro em sua unidade.
  • Em regra, não a contratação de um seguro individual para um apartamento específico não interfere em relação ao seguro obrigatório por lei. Porém, ao contratar o seguro geral do condomínio, seria interessante que o síndico já solicitasse à seguradora alguns pacotes para aqueles que se interessarem em manter suas unidades asseguradas.

Esperamos que, com essas dicas, fique um pouco mais fácil de entender a importância e os detalhes do seguro obrigatório dos condomínios.

Caso ainda tenha dúvidas ou queira mais informações sobre esse (ou qualquer outro) tipo de seguro, entre em contato conosco. Nossa equipe comercial terá um grande prazer em atendê-lo.

Uso de celular ao volante é considerado agravamento de risco

No último mês, foi celebrada a Campanha Maio Amarelo, que tem o objetivo de conscientizar a população dos perigos do trânsito e preservar a vida, evitando acidentes. Em função desse tema, a advogada Graziela Vellasco fala sobre um tema de extrema importância: o perigoso uso de celulares ao volante.

Os acidentes de trânsito vêm crescendo a cada ano. Em 2017, o Seguro DPVAT pagou 380 mil indenizações, conforme relatório anual disponibilizado no site da Seguradora Líder, administradora do Seguro. A maior causa de acidente de trânsito é a falha humana, e a utilização de celular ao volante é uma dessas falhas. Por isso, conscientizar e informar os motoristas sobre a importância de conduzir o veículo com total atenção é primordial.

Usar o celular enquanto dirige para atender ligações, mandar mensagens, fazer fotos e vídeos para as redes sociais ou qualquer outro motivo é considerado uma infração de trânsito. O Código de Trânsito Brasileiro considera o manuseio do celular enquanto dirige uma infração gravíssima, conforme artigo 252. O condutor será multado no valor de R$ 293,47 e terá sete pontos na carteira.

Crime

A advogada, que tem 15 anos de experiência e é especialista em Direito Processual Civil, afirma que a pessoa ainda pode responder judicialmente:

  • Na esfera criminal, vai depender do resultado do acidente de trânsito. Se a vítima falecer o condutor responderá pelo crime de homicídio no trânsito, artigo 302 do Código de Trânsito Brasileiro, com pena de detenção de dois a quatro anos e suspensão ou proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor. No caso de a vítima se lesionar, responderá pelo crime de lesão corporal no trânsito, artigo 303 do Código de Trânsito Brasileiro, com pena de detenção de seis meses a dois anos e suspensão ou proibição de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo automotor;
  • Já na esfera cível o condutor responderá pela indenização pelos danos causados. Os danos podem ser materiais, corporais e morais. No caso de homicídio, o condutor poderá ser condenado ao pagamento de pensão mensal aos herdeiros e danos morais, que podem chegar a 500 salários mínimos conforme entendimento do Superior Tribunal de Justiça. Em caso de lesão corporal, o condutor pode ser condenado a uma pensão mensal pela invalidez parcial ou permanente da vítima, despesas médicas e danos morais.

No caso de morte da vítima, Graziela explica que a princípio o condutor responderá pelo crime de homicídio culposo, na condução de veículo automotor, ou seja, sem a intenção de matar. Para isso, o condutor deve respeitar todas as normas de trânsito. “Porém, quando o condutor assume o risco de causar um acidente de trânsito, como no caso em questão, manusear o celular enquanto dirige, resta evidente a plena consciência de que, agindo deste modo, poderá causar um acidente fatal. Assim, o Ministério Público pode entender entender que houve dolo eventual e oferecer a denúncia por homicídio doloso”, alerta.

Seguro

Quando o carro possui seguro, a conduta de manusear o celular enquanto dirige é considerado um agravamento de risco pela seguradora, pois o ato é determinante para a ocorrência do sinistro. “O uso de celular ao volante tem sido equiparado a ingerir bebida alcoólica antes de dirigir, pois reduz consideravelmente a atenção do condutor e aumenta o risco de acidente”, destaca Graziela.

Ela ainda ressalta que, em caso de acidentes, a seguradora pode se negar a pagar os danos, pois, por ser um agravamento de risco, conforme o artigo 768 do Código Civil: o segurado perderá o direito à garantia se agravar intencionalmente o risco objeto do contrato.

Por fim, a especialista lembra que a conscientização é muito importante. “O Detran e o Contran fazem campanhas de conscientização, como o Maio Amarelo, que propõe o envolvimento direto da sociedade por um trânsito mais seguro. A meu ver, o problema não está na legislação e nem na fiscalização, mas, sim, na conscientização de todos brasileiros em respeitar e seguir a lei, possibilitando um trânsito mais seguro para todos”, declara.

Fonte: M.S. – Revista Apólice

Cresce obrigatoriedade de seguro viagem para turismo internacional

,

Após a exigência ser estabelecida pelos países europeus, Cuba e Venezuela, agora é a vez do Equador passar a demandar o seguro viagem para os turistas que desejarem transitar pelo seu território. Essa obrigatoriedade está se tornando uma tendência mundial, uma vez que a preocupação com o aumento dos gastos com despesas médicas que os turistas possam ter, está cada vez mais, despertando a atenção dos governantes.

A fim de auxiliar os viajantes a não terem surpresas desagradáveis ao chegar em um novo país, Alexandre Camargo, Country Manager para o Brasil da Assist Card, destaca algumas dicas.

“É preciso muita atenção antes de embarcar. Cada país possui uma exigência e por isso é fundamental manter-se atualizado para não ser surpreendido ou até mesmo não conseguir completar a sua viagem. Além disso, também vale fazer uma busca sobre o preço de despesas hospitalares, que são muito altas em alguns países. Independentemente da obrigatoriedade, um seguro viagem pode ser essencial para que você tenha assistência caso um imprevisto aconteça”, destaca o executivo.

Países que exigem o seguro viagem

O mais recente país a exigir o seguro viagem é o Equador. A obrigatoriedade foi estabelecida em fevereiro de 2018, de acordo com a Lei Orgânica da Mobilidade Humana, que estabelece que qualquer pessoa que entre no país tenha um seguro de saúde público ou privado durante a estadia. Os demais países que exigem o seguro são: Cuba, Dubai, Rússia, Argélia, Irã, e os que fazem parte do Tratado de Schengen – um acordo assinado por alguns membros da Comunidade Europeia que estabelece a livre circulação dos visitantes, de modo que a apresentação do passaporte nas fronteiras dos países não seja obrigatória. Porém, não basta apenas a contratação do seguro, já que alguns países exigem uma quantia mínima de cobertura. Nos países do Tratado de Schengen, por exemplo, é necessária uma cobertura de, no mínimo, 30 mil euros.

“Percebemos que a consciência sobre a importância do seguro está crescendo. Os nossos passageiros estão cada vez mais preocupados não apenas com o aumento das exigências, como também com os elevados custos que podem vir a ter caso algo inesperado aconteça”, revela Camargo. Essa preocupação também está impactando diretamente o aumento da contratação dos seguros anuais – que prometem ser uma tendência dos próximos anos. Esse produto é valido para o mundo inteiro, durantes os 365 dias do ano, o que facilita a organização de quem viaja, já que não precisará ter preocupação com a contratação ao longo do ano.

Documentações exigidas

Além do seguro viagem, também existem outros pontos que devem ser analisados antes do embarque. Muitos destinos da América do Sul não exigem a apresentação de passaporte, porém ele é o documento oficial para, praticamente, todos os lugares do mundo. É fundamental não esquecer de colocar este item em sua bagagem. Não se esqueça também de verificar o seu prazo de validade, visto que deve estar ativo até, no mínimo, o retorno do passageiro ao país de origem. Outro ponto que é preciso ficar atento é em relação a exigência do visto para a entrada no país, mesmo se haverá escala. Em conexões nos EUA, por exemplo, apresentação do visto americano é obrigatória.

Vacinas

Alguns países também exigem o Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia (CIVP), que comprova a vacinação contra diversas doenças, entre elas a febre amarela. O documento é exigido em mais de 130 países e por isso é importante manter-se atento.

Medicamentos

Se você faz uso de medicamentos regulares é extremamente importante a prescrição médica traduzida, pois pode acontecer uma fiscalização sanitária. Também é importante lembrar que eles devem ser levados na bagagem de mão e dentro das caixas originais.

“Nota-se como o planejamento para uma viagem internacional é essencial, não apenas pelas exigências e segurança, mas também para a garantia de que a viagem será realmente aproveitada. Assim, comece a programação com antecedência para não correr riscos e planejar com cuidado todos os destinos e passeios”, completa.

Fonte: L.S. – Revista Apólice

Tendências e inovações no mercado de garantias de imóveis

,

Atualmente, é inegável que a figura do fiador vem se extinguindo quando falamos de locação de imóveis. Também é válido lembrar que a garantia da caução não é das mais eficientes. Então, qual seria a melhor forma de alugar um imóvel sem grandes problemas?

Existem duas opções mais indicadas nestes casos: o Seguro Fiança e o Título de Capitalização. E é sobre essas duas modalidades que vamos falar no texto de hoje. Confira!

O Seguro Fiança sofreu grandes mudanças com o passar do tempo. Sua desburocratização foi um dos fatores decisivos para sua popularização, além da diminuição de suas taxas. Hoje em dia, o Seguro Fiança é uma excelente opção de garantia locatícia, tanto para a administradora ou imobiliária que o oferece quanto para o cliente final, o inquilino.

Para as empresas, a principal vantagem é a saúde da carteira de clientes, já que, ao passarem pelo crivo da seguradora e sendo aprovados, é a seguradora que se torna a principal pagadora daquele contrato. Isso significa que, caso aconteça eventual inadimplência, guardadas as devidas cláusulas contratuais, a seguradora é quem arcará com as devidas multas contratuais. Para os locatários, o principal motivo para a adoção do Seguro Fiança é evitar o constrangimento de um fiador.

O Título de Capitalização também apresenta suas vantagens. Ele é muito eficiente, uma vez que possibilita o aumento do múltiplo dos valores de alugueis e taxas condominiais, aplicados como garantia da locação, dependendo de cada pessoa. Esses valores ficam caucionados no Título e ao contrato locatício.

É importante ressaltar que os valores não poderão ser resgatados durante a locação em vigência. Depois que o contrato de locação acabar, caso não haja algum dano constatado, o locatário receberá esse dinheiro de volta, acordado no Título de Capitalização, com as devidas correções. Além disso, ele também oferece vantagens como Assessoria Jurídica Locatícia, Assistência Residencial 24h, entre outras.

Esperamos que este post tenha ajudado a escolher a melhor maneira para garantir a sua locação. E, claro, em caso de dúvidas, nossa equipe terá um grande prazer em atendê-lo. 🙂

Portaria Virtual – Como escolher o fornecedor ideal

Uma portaria virtual utiliza a tecnologia disponível para o controle de entradas e saídas num edifício ou condomínio, automatizando todo o processo em condomínios e edifícios.

A contratação de uma empresa de monitoramento eletrônico, no entanto, exige projetos específicos, dependendo do tamanho do condomínio. Assim, por exemplo, em um condomínio de grande porte, com mais de uma portaria e entradas para garagem, o sistema deve oferecer melhor desempenho, havendo maior complexidade.

Para contratar uma empresa que forneça portaria virtual é necessário analisar os custos de instalação e de manutenção. De acordo com especialistas em segurança, trata-se de um sistema ideal para condomínios que tenham até pelo menos 40 unidades, mantendo apenas uma portaria.

Acima dessa quantidade, o sistema pode não oferecer bom desempenho, além do que o custo pode se tornar inviável, quando comparado a uma portaria normal, com atendimento pessoal.

Portaria virtual para condomínios e o seu custo

Quando o condomínio possui poucas unidades, o custo com folha de pagamento e contribuições trabalhistas se torna mais pesado para o rateio entre os morados e, portanto, a portaria virtual oferece maior economia.

Como a taxa de condomínio é rateada, o menor número de moradores terá um maior custo para manutenção da portaria, situação que não ocorre em condomínios maiores, quando o rateio é feito por um grande número de famílias.

Existem no mercado sistemas que conseguem atender condomínios de maior porte, onde são instalados equipamentos mais sofisticados. Contudo, nesses casos, a economia na taxa de condomínio também costuma ser menor.

Nesse caso, porém, são necessários maiores cuidados, com o desenvolvimento de um projeto de segurança mais cuidadoso, principalmente quando há mais de uma portaria e entradas para estacionamentos ou garagens.

Além disso, também é importante que todos os moradores estejam familiarizados com o sistema, cumprindo com todas as responsabilidades, o que torna mais difícil um controle adequado.

Para a instalação da portaria virtual há a necessidade de comprometimento por parte de todos para cumprir com os procedimentos de segurança, possibilitando que haja um ganho real tanto para a segurança quanto para a economia dos condôminos.

Cuidados na contratação da portaria virtual

É importante que, ao fazer os orçamentos para contratação da portaria virtual, o síndico e os moradores devem fazer as necessárias comparações entre os equipamentos fornecidos, escolhendo a empresa que ofereça o que melhor possa atender o condomínio.

Além disso, também é necessário conversar com outros condomínios atendidos pelo mesmo fornecedor, verificando como está sendo o atendimento e se os equipamentos instalados atendem às necessidades do ambiente, bem como visitar as instalações da empresa e conhecer melhor sua metodologia de trabalho.

Como funciona a portaria virtual

Com a tecnologia oferecida atualmente e com a utilização de internet banda larga, um sistema de portaria virtual pode contar com toda a infraestrutura e condições técnicas para oferecer total segurança a condomínios e edifícios.

Os novos sistemas de monitoramento podem oferecer maior eficiência, apresentando menos vulnerabilidades, podendo ser utilizado por condomínios residenciais, comerciais e edifícios.

O sistema de portaria virtual exige a instalação de alguns equipamentos básicos e a empresa fornecedora deve apresentar um projeto com todas as especificações necessárias para o condomínio interessado, como, entre outros:

  • Um sistema de biometria adequado, para controle de entrada e saída de moradores. O sistema pode utilizar a biometria para acionar os portões, ou, em condomínios menores, pode-se aplicar o QR Code ou sistemas de cartões;
  • Um sistema de abertura e fechamento de portões por controle remoto, permitindo que o operador possa abrir ou fechar os portões da garagem à distância, ou com a utilização de controles por todos os moradores;
  • Um sistema de telefonia via internet para manter a comunicação entre a empresa e o condomínio, utilizando métodos alternativos no caso de falta de conexão;
  • Câmeras de monitoramento que transmitam imagem e som pela internet, possibilitando a comunicação entre a central e moradores ou visitantes;
  • Um sistema nobreak para manter o funcionamento dos equipamentos e dos portões no caso de queda de energia;
  • Uma cerca elétrica em todo o perímetro do condomínio para garantir a segurança em toda a área;
  • Sistema de botão de pânico que, havendo a biometria, pode ser usado por todos os moradores em caso de emergência.

Uma empresa de portaria virtual, oferecendo os equipamentos adequados para manter a segurança do condomínio, deve, além disso, oferecer um projeto detalhado para cada condomínio, com especificações próprias para cada área, individualizando pequenos detalhes que tornem o sistema mais seguro.

Fonte: Portal oHub

Quais são as tendências no mercado de garantias de imóveis?

,

Atualmente, é inegável que a figura do fiador vem se extinguindo quando falamos de locação de imóveis. Também é válido lembrar que a garantia da caução não é das mais eficientes. Então, qual seria a melhor forma de alugar um imóvel sem grandes problemas?

Existem duas opções mais indicadas nestes casos: o Seguro Fiança e o Título de Capitalização. E é sobre essas duas modalidades que vamos falar no texto de hoje. Confira!

O Seguro Fiança sofreu grandes mudanças com o passar do tempo. Sua desburocratização foi um dos fatores decisivos para sua popularização, além da diminuição de suas taxas. Hoje em dia, o Seguro Fiança é uma excelente opção de garantia locatícia, tanto para a administradora ou imobiliária que o oferece quanto para o cliente final, o inquilino.

Para as empresas, a principal vantagem é a saúde da carteira de clientes, já que, ao passarem pelo crivo da seguradora e sendo aprovados, é a seguradora que se torna a principal pagadora daquele contrato. Isso significa que, caso aconteça eventual inadimplência, guardadas as devidas cláusulas contratuais, a seguradora é quem arcará com as devidas multas contratuais. Para os locatários, o principal motivo para a adoção do Seguro Fiança é evitar o constrangimento de um fiador.

O Título de Capitalização também apresenta suas vantagens. Ele é muito eficiente, uma vez que possibilita o aumento do múltiplo dos valores de alugueis e taxas condominiais, aplicados como garantia da locação, dependendo de cada pessoa. Esses valores ficam caucionados no Título e ao contrato locatício.

É importante ressaltar que os valores não poderão ser resgatados durante a locação em vigência. Depois que o contrato de locação acabar, caso não haja algum dano constatado, o locatário receberá esse dinheiro de volta, acordado no Título de Capitalização, com as devidas correções. Além disso, ele também oferece vantagens como Assessoria Jurídica Locatícia, Assistência Residencial 24h, entre outras.

Esperamos que este post tenha ajudado a escolher a melhor maneira para garantir a sua locação. E, claro, em caso de dúvidas, nossa equipe terá um grande prazer em atendê-lo. 🙂

 

5 erros que você nunca deve cometer ao comprar um carro

Ter um carro é sinônimo de conforto e praticidade no dia a dia. No entanto, os custos para mantê-lo podem ser altos e, às vezes, inesperados. Se você estiver pensando em comprar um veículo é essencial fazer um bom negócio para evitar prejuízos financeiros.

A reportagem conversou com Rafael Galante, economista que trabalha no setor automotivo há 14 anos e é consultor na Oikonomia Consultoria Automotiva, de São Paulo. Ele elencou 5 erros que as pessoas geralmente cometem na hora de comprar um carro.

Confira o que você não deve esquecer para fazer uma boa aquisição:

1. Não saber qual carro você realmente precisa

A maioria dos consumidores é movida por impulso. Seja através dos vendedores ou então da publicidade. O que conta aqui é o consumidor mensurar a sua real necessidade.

Rafael Galante explica que dentro do universo de carros novos, alguns segmentos como picapes pequenas e picapes grandes têm se destacado, por exemplo.

“Mas devemos lembrar que esses dois tipos de veículos são tradicionalmente de carga. Se a família for crescer, a falta de espaço poderá ser um problema”, afirma.

Além disso, custo de manutenção desses veículos é mais caro. Contudo, como são ‘populares’  acabam sendo procurados sem real necessidade. Entenda de que tipo de carro você precisa.

2. Não saber quanto pode pagar

Segundo o especialista, outro erro comum é o conceito “Casas Bahia”, no qual o consumidor vê a parcela, mas não o custo total do carro. “O carro é como um filho. Junto com a prestação mensal vem o custo de manutenção, seguro, combustível, estacionamento, pedágio e afins”, diz.

Os gastos devem ser colocados na ponta do lápis. Além disso, o consultor sugere que o consumidor veja as melhores opções de financiamento. “Talvez o seu banco ou o banco da montadora não tenha a melhor taxa… o ideal é pesquisar”, aconselha.

3. Comprar pela quantidade de opcionais

Às vezes, compramos um modelo por causa da quantidade de opcionais que ele oferece. Isso seria o “diferencial” do carro frente a um concorrente. Mas segundo Galante, a pergunta que se deve fazer é: “Eu preciso disso? Isso é um diferencial que justifica eu pagar “x” a mais pelo carro?”

É preciso avaliar se vale a pena empenhar uma quantia maior.

4. Instalar acessórios fora da loja oficial

Ao comprar um carro em uma concessionária, você possui garantia (seja a de fábrica ou a dada pelo lojista) do veículo. Se o consumidor for adicionar acessórios no automóvel, ele aconselha que seja por meio da concessionária.

“Geralmente é um pouco mais caro, mas espere, junte dinheiro e depois equipe o carro, se for o caso. Dependendo do acessório e do local que for instalar, corre o risco de perder toda a garantia do automóvel. O barato sai caro. Os acessórios são – em geral – mais caros pelo fato de serem os recomendados pela montadora”, afirma.

5. Não fazer um test drive

Em geral as pessoas esquecem o básico: o test drive. O especialista afirma que é essencial experimentar o carro antes de comprar.

“O modelo pode ser incrível, mas também pode ser pequeno demais, pode não acomodar a família inteira, pode ter a dirigibilidade ruim para você. É algo tão simples, mas nem todas as pessoas realmente fazem. É mais comum quando se busca um carro usado”, explica Galante.

Fonte: Gazeta do Povo

Dia Continental do Seguro – conheça mais sobre a data

,

Você sabia que o Dia Continental do Seguro é comemorado no dia 14 de maio? Pois é! Esta data foi instituída oficialmente durante a 2ª Conferência Hemisférica de Seguros, em 1948, no México, como uma homenagem ao dia em que a 1ª Conferência foi realizada, em 1946, em Nova Iorque.

Esta data é comemorada nos continentes americanos e na Espanha, buscando frisar a importância desta atividade, a única a se dedicar à proteção de patrimônios e saúde, e à formação de rendas e pecúlios. O dia também marca a data da fundação da Federação Interamericana de Seguros (Fides).

Para celebrar este dia especial, separamos aqui alguns tipos de seguros oferecidos pela O2 Seguros, e que podem fazer completa diferença na sua vida. Confira:

  • Seguro Proteção Aluguel: Quanto vale a tranquilidade da sua família? Proteja o pagamento do aluguel e encargos, como condomínio e IPTU, com o Seguro Proteção Aluguel. Ele tem valor fixado e não incide sobre encargos legais, podendo ser utilizado em caso de desemprego ou de incapacidade física temporária. Saiba mais em nosso site! 

 

  • Seguro Incêndio Imobiliário: Proteja o seu patrimônio contra incêndios, explosão, queda de aeronave, fumaça ou perda de aluguel com o Seguro Incêndio Imobiliário. Além disso, ele conta com assistência 24h por dia e outras coberturas, como contra roubos, danos elétricos e vendaval, assim como a responsabilidade civil por danos involuntários causados a terceiros – tudo isso pelas menores taxas do mercado. Veja mais informações!
  • Seguro Proteção Cota Condominial: Já pensou na importância de garantir o pagamento da sua cota condominial em casos de imprevistos? O Seguro Proteção Cota Condominial, destinado a proprietários e locatários, garante o pagamento do seu condomínio em casos de morte, invalidez ou perda involuntária de emprego. E o melhor: o valor é fixado e sem cotação. Saiba mais! 
  • Seguro Vida: É essencial estar sempre prevenido contra as adversidades da vida. Para isso, indicamos o Seguro Vida, que garante o capital segurado em casos de morte ou invalidez permanente por acidente. Além disso, ele conta com coberturas opcionais de antecipação especial por doença, despesas médico-hospitalares e odontológicas, diárias por incapacidade temporária e assistência funeral do titular ou familiar. Conheça! 
  • Seguro Auto: O Seguro auto tem por objetivo indenizar o segurado por prejuízos ocorridos ou causados pelo veículo relacionado na apólice, na ocorrência de eventos cobertos e valores estipulados previamente. A sua cobertura básica inclui a cobertura compreensiva, abrangendo incêndio, roubo e colisão, cobertura para colisão e incêndio e cobertura para incêndio e roubo. Saiba mais!

Legal, não é? Para saber mais sobre estes (e outros) seguros, entre em contato conosco. Será um grande prazer atendê-lo! Esperamos que tenha gostado de saber um pouco mais sobre esse dia tão importante para a área de seguros. 🙂

Seguro de Vida para Funcionários dos Condomínios

Entre as diversas atribuições dos síndicos de condomínios, está o gerenciamento dos recursos e demandas, garantindo o bem-estar de condôminos e funcionários, além da responsabilidade da sua gestão.

Porém, quando falamos sobre funcionários e prestadores de serviços, não falamos apenas da contratação e acompanhamento do desempenho, mas também das questões trabalhistas e benefícios oferecidos a esses colaboradores. Muita gente pode não saber, mas o seguro de vida para funcionários de condomínios com vínculo empregatício é obrigatório em diversos Estados, como Rio e São Paulo. Isso significa que o síndico e o próprio condomínio ficam amparados financeiramente em caso de qualquer problema neste sentido. Por isso, é essencial que a administradora disponibilize este tipo de serviço a seus clientes.

A Convenção Coletiva de Trabalho da categoria garante uma indenização aos funcionários em caso de morte natural, acidental ou invalidez por doença ou acidente. Por isso, é obrigatório que o síndico contrate um seguro de vida para seus colaboradores, oferecendo esta proteção a quem se faz tão importante no dia a dia do condomínio.

A O2 Seguros oferece o Seguro de Vida e Funeral para Funcionários do Condomínio, com as seguintes vantagens:

  • Integração com sistemas de gestão: com a nossa parceria no Base Market, podemos prever diversas situações onde os sistemas de gestão estar integrados a uma plataforma única de gerenciamento de seguros, trazendo segurança e agilidade ao processo;
  • Transparência: é possível acompanhar online cada uma das etapas, da contratação ao dia a dia da operação de seguros (painel de informações com dados, certificados, apólices, etc);
  • Receita extra: Recebimento de comissão diferenciada para todos os produtos e a cada contrato assinado pelo cliente;
  • Atendimento especial: nossos clientes contam com canais exclusivos para interações, dúvidas e informações sobre seguros imobiliários

Para mais informações sobre este seguro (e outros), visite nosso site: https://bit.ly/2rkOkvz