Dicas de segurança para o seu condomínio

Em tempos de altos índices de violência, os moradores dos condomínios ficam receosos com relação à segurança do prédio. Por isso, para ajudar você e seus vizinhos nessa questão, resolvemos trazer, na matéria de hoje, dicas de segurança para os condomínios.

Os jeitos que os bandidos dão para entrar nos condomínios residenciais são muitos, os mais diversos golpes existem e são praticados. Por isso, é preciso estar sempre atento a diversos fatores relacionados à segurança do edifício, cuidando para que não seja um alvo fácil.

As normas precisam ser seguidas por todos (moradores e funcionários), sem exceção. Os erros mais comuns são simples desrespeitos às regras de segurança estabelecidas, porteiro abrindo portões para qualquer pessoa, morador autorizando a entrada antecipada de alguém que ainda não chegou e a portaria ficando vazia.

Além desses, muitos são os “vacilos” cometidos, tanto por funcionários, como também pelos próprios condôminos. Atitudes simples, como deixar as chaves do apartamento ou do carro na portaria devem ser evitados a todo custo. Ao entrar e sair, deve-se sempre observar a movimentação de estranhos nas imediações.

A seguir, daremos outras dicas de segurança que são importantes para qualquer condomínio, confira:

  • Os funcionários devem conhecer todos os moradores;
  • Eles (funcionários) devem evitar contato direto com desconhecidos e visitantes;
  • Ao atender estranhos, de qualquer natureza, os portões devem ser fechados até que a entrada da pessoa em questão seja autorizada pelo morador, mediante identificação dela;
  • Nunca, em hipótese alguma, os funcionários do prédio devem passar informações dos moradores a quaisquer pessoas, inclusive a outros moradores;
  • Os sistemas de segurança existentes devem ser respeitados e usados corretamente;
  • Prestadores de serviços devem ser liberados sob agendamento prévio, em horários pré-determinados, mediante identificação de documento e crachá, tendo seus dados (nome e número do documento) anotados;
  • Os veículos, dentro das garagens, devem ser mantidos trancados, e com seus sistemas de segurança ativados;
  • Os empregados, tanto do condomínio, como das unidades, devem ser informados (incluindo contato telefônico e endereço atual) ao síndico, que deve manter um documento organizado e atualizado com todos esses dados;
  • Portarias e guaritas devem ser devidamente protegidas;
  • Espelhos retrovisores devem ser instalados nas garagens;
  • Portões, grades, cercas, fechaduras e sistemas de segurança (como câmeras, alarmes e sensores de presença) precisam ser de boa qualidade e manter-se atualizados, sendo, constantemente, verificados;
  • Caixas com portinholas podem ser instaladas para a recepção de encomendas diversas;
  • Códigos podem ser criados entre vizinhos e funcionários para denunciar, discretamente, a ação de bandidos.

Com todas essas dicas, esperamos que tenha ficado mais fácil proteger o condomínio contra várias ações dos bandidos. Lembrando que todas as normas (inclusive as de segurança) existem por uma razão, devendo, sem nenhuma exceção, ser respeitadas e cumpridas. #FicaADica

 

Dicas e orientações de segurança para porteiros.

A maior parte das invasões a condomínios se dá pela portaria de pedestres, por falta de procedimentos corretos de segurança dos porteiros. Por isso, seu treinamento adequado é fundamental.

Ao atender visitantes, o portão somente pode ser aberto após avisar o morador e obter sua autorização. Na dúvida, solicitar ao morador para vir identificar tal visitante, mantendo-o ainda do lado de fora.

No caso de entrega de encomendas, avisar o condômino e solicite sua presença na portaria. Na ausência do condômino, receber e guardar para, posteriormente, ser retirado por um morador ou entregue por um funcionário: jamais permita que o entregador leve pessoalmente a encomenda.

Prestadores de serviços: avisar o condômino e só abrir a porta mediante autorização do morador. Depois que entrar, pedir crachá com foto e anotar os dados de seus documentos Se for prestador de serviço para o condomínio, só abrir a porta depois de autorizado pelo zelador. Também deve-se pedir o crachá e anotar os dados.

Em caso de obras no condomínio, só permitir o acesso de funcionários listados pela empreiteira, portando crachá com foto. Em caso de dúvida, chamar o zelador.

Os porteiros e seus substitutos devem ser alertados quanto aos disfarces que os ladrões têm usado para invadir os condomínios.

Nos horários de limpeza e recolhimento de lixo, manter as entradas do edifício fechadas.

Na entrada ou saída de pessoas do condomínio, somente abrir o portão após verificar se não há suspeitos próximos.

Não devem aceitar a guarda de chaves das unidades e dos automóveis dos moradores.

Não comentar sobre a vida pessoal dos condôminos, como horários em que podem ser encontrados e outras informações.

É interessante que seja instalada uma linha telefônica na portaria, para que se possa acionar rapidamente a polícia ou os bombeiros em caso de emergência, sem depender do zelador – que pode não estar no condomínio na hora. Neste caso, é conveniente pregar no telefone uma lista com o telefone da delegacia mais próxima, bem como do Corpo de Bombeiros e da conservadora do elevador.

Fonte: PM-SP e Conteúdo SíndicoNet

Vai comprar um carro usado? Siga 4 passos para evitar ciladas

A coluna do Caçador de carros desta semana destacou as vantagens de comprar um carro seminovo com garantia em vez de optar por um zero quilômetro. Seguindo essa linha, se você também pensa em partir para um carro usado é importante estar prevenido na hora de fechar o negócio para não entrar em uma fria. É essencial fazer uma verificação prévia de toda a documentação, histórico de multas, impostos e taxas para evitar problemas no futuro.

Para fazer isso, basta seguir as quatro dicas abaixo elaboradas pelo Proteste, Associação Brasileira de Defesa do Consumidor.

Acesse o site do Detran: Com os dados da placa e do Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam) em mãos, você pode fazer uma pesquisa de Débitos e Restrições. Lá, é possível encontrar informações sobre pagamento de imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), multas, inspeção veicular, licenciamento do ano, bloqueio por furto, registro de guincho e restrições.

Consulte o Ministério da Justiça: É possível que o automóvel tenha um recall pendente com a montadora. Se esse for o caso, exija o documento que comprove a execução do reparo indicado ou consulte o serviço de atendimento ao consumidor com os dados do chassi e Renavam do veículo para verificar se há um recall pendente.

Fuja do golpe de venda casada: Se pretende negociar o seu veículo atual como parte do pagamento do novo, preste atenção, pois algumas lojas exigem que se faça um check-up ou vistoria cautelar e para tanto, cobram do consumidor este serviço, o que é ilegal. Depois que você pagar, o mesmo será subavaliado. Dessa forma, as duas opções restantes não são boas porque ou será obrigado a cancelar o negócio, e perder esse valor ou, dar continuidade e receber um valor menor pelo veículo. O ideal é você dar preferência para estabelecimentos isentos desta cobrança.

Pesquise sobre o vendedor: Se for comprar o carro diretamente com o dono, você não estará protegido pelo Código de Defesa do Consumidor. Só feche negócio se o preço compensar e se realmente conhecer o dono. Caso contrário, exija o Laudo Cautelar do veículo, um documento homologado pelo Detran, que atestará todo o histórico do carro e apontará além dos débitos pendentes, qualquer informação como sinistro, registro de roubo ou furto, boletim de ocorrência por envolvimento em acidentes e até passagem por oficinas de seguradoras, o que pode indicar uma batida ou danos no passado.

Fonte: Carsale Uol

Dicas de combate e prevenção a incêndios

Os incêndios são um dos acidentes domésticos mais recorrentes. Independente da causa, quando ocorrem costumam destruir muita coisa, além, é claro, de serem extremamente perigosos para quem estiver no local. Por isso, resolvemos abordar esse tema no post de hoje, com dicas de prevenção a incêndios. Confira!
Não sobrecarregue as instalações elétricas, superaquecendo os fios e potencializando os riscos de iniciar um incêndio. Evite ligar muitos aparelhos na mesma corrente elétrica.

Confira se os extintores de incêndio encontram-se na validade e em boas condições de uso – ressaltando que há diferentes tipos, de acordo com o tipo de incêndio.

Não deixe tapetes e cortinas perto de fios elétricos. Caso ocorra um curto com os fios e haja materiais inflamáveis por perto, o incêndio se alastrará numa velocidade muito maior.

Se você gosta de velas, deve tomar muito cuidado. Elas podem ser um charme, porém propiciam grandes danos. Ao ascendê-las, certifique-se que estão bem longe de materiais que possam pegar fogo, além de apoiá-las em suportes específicos.

Caso você fume, preste atenção onde coloca as bitucas de cigarro, pois um cigarro mal apagado, em contado, por exemplo, com papéis, pode iniciar um grande incêndio.

Se for possível, armazene o botijão de gás do lado de fora da residência, pois, caso ocorra algum vazamento, a chance de começar um incêndio será reduzida.

Se você possui aquecedor, deixe materiais como plástico e papel a, pelo menos, um metro de distância.

Caso more num prédio, pesquise sobre a instalação de portas corta fogo em pontos estratégicos, conferindo, periodicamente, se elas estão em bom estado.

Esperamos que, com as informações que trouxemos na matéria de hoje, você consiga se prevenir de incêndios. Caso presencie algum incêndio, deve manter a calma, e, antes de qualquer coisa, ligar para os bombeiros (193). Tape o nariz com um pano úmido e tente sair do local o mais rápido possível. #FicaADica ☺