Atenção à segurança do condomínio durante o carnaval!

,

Durante o carnaval, algumas pessoas aproveitam os dias pra viajar, deixando suas casas vazias, já outras recebem amigos e familiares em casa… Seja como for, o fato é que, nesse período, o fluxo e a dinâmica dos condomínios mudam. No post de hoje, trouxemos dicas de segurança para essa época.

Os prédios comerciais e, principalmente, residenciais, sofrem um verdadeiro desafio durante os dias de folia. Além dos visitantes conhecidos, os números de aluguéis por temporada se intensificam, gerando ainda mais movimentação no prédio, e de gente, muitas vezes, desconhecida por todos.

Muitas pessoas aproveitam as comemorações na rua, indo a blocos e festas, por exemplo, enquanto outros gostam de receber gente em casa, para comemorar – por vezes, fazem os dois, no popular esquenta feito na casa de alguém antes de um grupo de amigos sair para algum lugar.

Além disso, ainda há quem assista aos desfiles da Sapucaí, que começam à noite e acabam na manhã seguinte… Enfim, comemorações não faltam e, com isso, o entra e sai nos condomínios é grande, o que requer atenção redobrada, principalmente dos funcionários de portaria e zeladoria.

Ainda há aquelas pessoas que não gostam da “bagunça” e aproveitam esses dias para descansar. Por isso, para que a paz no condomínio seja mantida, todos devem ter respeito e bom senso, zelando pela boa convivência. De qualquer maneira, há algumas recomendações que ajudam nesse momento. Confira:

Aos condôminos e visitantes:

  • Nunca deixe as chaves do apartamento/carro na portaria ou com o zelador;
  • Ao sair, sempre verifique se portas e janelas estão bem trancadas;
  • Se você for viajar e precisa que alguém molhe plantas e/ou cuide de animais de estimação, entregue a chave a alguém de confiança, deixando, por escrito, ao síndico e à administradora, uma autorização, permitindo que a pessoa, identificando-se, entre no prédio e em sua unidade;
  • Ainda falando sobre quem vai ficar uns dias fora, se a viagem for um pouco mais longa, desligue a chave geral no quadro de força, além de fechar os registros de água e gás, evitando vazamentos.

Ao síndico e funcionários do prédio:

  • A segurança deve ser reforçada, inspecionando os circuitos de câmeras e alarme, caso o condomínio tenha esses equipamentos, garantindo que sua manutenção esteja em dia;
  • O rigor na entrada de pessoas estranhas no prédio deve ser maior, já que muitos bandidos se aproveitam desse período para realizar furtos e roubos;
  • No caso de hóspedes temporários (aluguéis por um curto período de tempo), eles devem ser devidamente identificados, com informações cedidas, previamente, pelo locador, ao síndico, que repassará aos funcionários do prédio;
  • As vagas de garagem devem ser constantemente fiscalizadas pelos funcionários, tanto as dos moradores, como as dos visitantes, evitando quaisquer irregularidades;
  • Nos condomínios com grandes áreas externas, um funcionário deve fazer rondas periódicas nesses locais, principalmente no período noturno;
  • Ao lidar, na portaria ou calçada do prédio, por qualquer motivo que seja, com foliões, que, nesse período, costumam perder um pouco a noção, tenha paciência, evitando discussões no caso de alguma ocorrência.

Nós garantimos que, com o auxílio das informações e sugestões que trouxemos nessa matéria, o seu condomínio, o síndico, os moradores, locatários, visitantes e os funcionários ficarão em paz, enfrentando os dias de folia com muito mais tranquilidade e alegria. #FicaADica

 

Você sabe o que é a Vistoria de Constatação?

,

Resolvemos abordar, na matéria de hoje, um tema que pode não ser tão conhecido: a Vistoria de Constatação. Você a conhece e sabe qual a sua finalidade?! Se quer entender melhor essa modalidade, descobrindo o porquê e quando é usada, continue lendo o post!

A vistoria é um serviço especializado de inspeção de imóveis (residenciais ou comerciais), garantindo a máxima agilidade e segurança nos contratos de locação. Por meio dela, é avaliado o estado de conservação do imóvel, através da análise de itens como, por exemplo, o piso, parede, teto e instalações elétrica e hidráulica.

De acordo com a Lei do Inquilinato 8245/91, o locador deve disponibilizar o imóvel de forma que atenda ao uso a que se destina, apresentando também, ao locatário, uma descrição minuciosa de todos os possíveis defeitos do imóvel. Essa é a responsabilidade do locador.

O locatário, por sua vez, tem o dever de devolver o imóvel, quando o desocupar, no estado que foi entregue pelo locador. Assim, a vistoria serve para amparar essas questões, averiguando tudo e minimizando os conflitos entre locadores e locatários, evitando, inclusive, litígios jurídicos.

Dentre as vistorias, existem três tipos:

  • A Vistoria Inicial, realizada antes da locação;
  • A Vistoria de Constatação, durante;
  • E a Vistoria de Saída, realizada ao final.

A Vistoria de Constatação é feita no período em que o locatário está ocupando o imóvel. Ela tem o objetivo de discriminar e constatar possíveis benfeitorias e obras executadas no local, justamente no período de vigência do contrato. Assim diferencia-se da Inicial e da de Saída.

É comum que as imobiliárias utilizem seus funcionários para realizar essas vistorias, porém, é extremamente importante que esse serviço seja feito por uma empresa e profissionais responsáveis, evitando erros e otimizando o tempo dos funcionários da própria imobiliária.

Ao ser realizada por uma empresa terceirizada e especializada no assunto, oferece-se maior credibilidade às partes interessadas (locador e locatário), além da garantia de qualidade dos laudos, que são feitos por uma equipe treinada e capacidade para sua elaboração.

Consequentemente, as administradoras utilizarão melhor o tempo de seus funcionários, que o aproveitam para realizar outras atividades quaisquer, além de ganhar maior qualidade no serviço, diminuindo os possíveis prejuízos decorrentes de mau uso dos imóveis.

E então, deu para entender o que, exatamente, é a Vistoria de Constatação, para que serve e a grande importância de ser feita por profissionais adequados, através de uma empresa terceirizada?! Esperamos que tenhamos conseguido transmitir todos esses pontos. Qualquer dúvida, é só nos perguntar!

Fatores que podem facilitar a criminalidade nos condomínios

,

Como a preocupação com a violência é constante nos lares brasileiros, resolvemos tentar ajudar você, seus vizinhos e seu prédio, falando, hoje, de fatores que podem facilitar a criminalidade nos condomínios, para que, evitando-os, a segurança seja mantida. Confira!

Infelizmente, em nosso país, a violência é um problema bastante comum, especialmente nos grandes centros urbanos. Dessa maneira, todos devemos nos proteger como podemos – e dentro do condomínio não poderia ser diferente. Veja, a seguir, atitudes que precisam ser evitadas!

  • Inexistência de normas de segurança

Todo condomínio (aliás, todo local) precisa de normas de segurança claras para se manter protegido. Essas regras precisam constar na Convenção e/ou no Regimento Interno. Caso não existam, deve ser feita uma assembleia, para que os condôminos debatam o assunto e, em conjunto, decidam (através da maioria) as normas que precisam ser acrescentadas aos documentos oficiais – junto às penalidades de seu descumprimento.

Dessa forma, a entrada e movimentação de todos pelo prédio, incluindo moradores, funcionários, visitantes, prestadores de serviços etc. deve seguir processos preestabelecidos, garantindo a segurança e evitando problemas e furos na segurança. De qualquer forma, é necessário ficar atento a qualquer movimentação suspeita, observando, também, se os condôminos e funcionários estão seguindo corretamente as normas estipuladas.

  • Seleção inadequada de funcionários

Selecionar equivocadamente os funcionários domésticos é um grande erro e que pode facilitar bastante a criminalidade nos condomínios residenciais. Esses profissionais têm uma importância enorme sobre quem entra e sai de cada unidade, além de possuírem informações valiosas sobre as rotinas, bens e hábitos dos condôminos.

Por isso, antes de contratar alguém, é preciso fazer uma pesquisa aprofundada sobre os candidatos, verificando criteriosamente as fontes de referência, por exemplo. O mesmo também vale para os colaboradores do prédio (como porteiros, zeladores e seguranças) e prestadores de serviços terceirizados.

  • Falta de orientação adequada

Após contratar bons funcionários, tanto para as unidades, como para o edifício, em si, é necessário oferecê-los orientações adequadas, e, por vezes, dependendo da função que desempenham e da sua experiência (ou falta dela), treinamentos específicos.

No prédio, o síndico deve conversar com todos os profissionais, instruindo cuidadosamente principalmente aqueles que tenham participação no controle de acesso de moradores, visitantes e entregadores. Cursos, palestras e seminários são sempre interessantes, independente do cargo.

  • Pouco investimento em tecnologia

Um problema seriíssimo e bastante frequente, infelizmente, é a falta de investimento (ou o pouco investimento) em tecnologia. Os recursos tecnológicos, cada vez mais avançados, são de grande valia para qualquer condomínio, afastando problemas e mal intencionados.

As opções de investimento são muitas e de valores variados, desde a iluminação, até sistemas de comunicação e monitoramento, mas esse é um assunto que precisa ser discutido, urgentemente, com os outros moradores, propondo opções para melhorar a segurança do edifício.

E então, o que você achou desses tópicos que abordamos nessa matéria?! Como anda a segurança no seu condomínio? Compartilhe esse post com seus vizinhos e síndico, aproveitando para conversar sobre esse assunto tão importante para todos! #FicaADica

 

Sindicância para contratação

Na matéria de hoje, resolvemos falar sobre a importância de fazer uma boa seleção entre os candidatos a funcionários do condomínio. Esse processo seletivo pode ser bastante trabalhoso e cansativo e, por isso, trouxemos uma solução. Continue lendo e confira!

Quando se está à procura de um funcionário, diversos aspectos devem ser considerados, como, por exemplo, verificação de antecedentes criminais, checagem de referências em bancos de dados cadastrais, experiências profissionais anteriores, e muitas outras coisas.

O primeiro passo é analisar os currículos dos candidatos e fazer uma pré-seleção. Então, podem ser feitas entrevistas, para conhecer pessoalmente os profissionais e analisar sua postura, linguagem, comunicação etc. Nesse momento, dinâmicas e testes psicológicos podem ser feitos – por profissionais adequados.

Depois das entrevistas e, com base nelas, será possível realizar uma nova seleção, definindo os “melhores” candidatos entrevistados, para prosseguir, então, verificando alguns dos fatores já mencionados anteriormente, como os antecedentes criminais da pessoa.

Assim, através das avaliações de todos esses e outros tópicos, que devem ser feitas por equipes especializadas, definem-se as melhores opções, dando, ao síndico, o poder de escolha, sendo minimizado o risco de fazer uma contratação que acarrete em algum transtorno para o condomínio.

Muita atenção e dedicação precisam ser empenhadas nesse processo, para certificar que bons zeladores, porteiros, faxineiros, vigias (e outros funcionários) trabalhem no seu prédio, garantindo que colaborem com a melhor manutenção do edifício, estando aptos para assumir seus cargos.

Outro ponto muito importante é que o síndico tenha definido, muito claramente, que tipo de profissional deseja contratar. Não o cargo, mas o perfil que está buscando, que atribuições e conhecimentos ele está esperando daquele funcionário, sabendo as características que ele precisa ter.

Como estamos sempre pensando em te ajudar, nós, da O2, realizamos esse serviço de sindicância para contratação, assegurando riscos reduzidos na contratação de profissionais para o seu edifício e facilitando o cotidiano e os processos do seu condomínio. Está esperando o que para nos procurar?

O que é Assessoria Cadastral?

Na matéria de hoje, falaremos sobre um tema que não é tão conhecido por todos: a assessoria cadastral. Você sabe o que é e para que ela serve, afinal? A seguir, abordaremos melhor esse assunto, te ajudando a esclarecer suas dúvidas, confira abaixo!

No mercado imobiliário, quando falamos da locação de imóveis, para analisar os pretendentes de locação e os fiadores, é utilizada a assessoria cadastral, que é um conjunto de informações (financeiras ou não), colhidas em bancos de dados comerciais e públicos.

Essas informações dão subsídio que o gestor tome a melhor decisão em relação a aceitar ou não tal pretendente. Mas por que é melhor realizar esse serviço com uma empresa terceirizada? Podemos destacar alguns benefícios dessa escolha, como, por exemplo:

  • Imparcialidade na tomada de decisão, uma vez que quem faz a assessoria são técnicos que estão fora do ambiente empresarial em questão;
  • A equipe, ao invés de ser voltada para a assessoria, será uma equipe voltada para a captação de novos negócios;
  • Redução dos custos de mão de obra da imobiliária, já que uma empresa terceirizada fará o serviço, não havendo a necessidade de ter uma equipe para fazer isso dentro da empresa.

Essa equipe buscará, no mercado, todas essas informações importantes, passando-as para o gestor, de forma bem clara, organizada e objetiva. Dessa forma, baseada nas informações apresentadas na assessoria, a imobiliária toma sua decisão final, de forma mais assertiva.

Entre as características de maior destaque de uma boa assessoria cadastral, temos:

  • Confiabilidade das informações;
  • Disponibilidade delas;
  • Rapidez na entrega.

Como o mercado, cada vez mais, precisa de informações rápidas, porém, de segurança, confiáveis, conta-se com esse eficiente serviço. Nesse contexto, também deve ser destacada a tecnologia, que tem um importante papel, tanto na captação das informações, como na propagação delas.

Permitindo acesso online aos dados, de onde a pessoa estiver e na hora que quiser/puder se conectar, a tecnologia possibilita que a empresa confirme a veracidade das informações relatadas, através do site, validando a assessoria apresentada anteriormente.

Além disso, todos os dados comunicados às empresas são expostos de forma clara e leve, de forma que mesmo pessoas leigas, que não tenham conhecimento técnico do assunto, consigam entender e interpretar as informações dispostas, chegando a uma conclusão.

E então, o que você achou desse assunto e de tudo que falamos por aqui?! Esperamos que tenha gostado do tema e das características desse eficiente serviço, que tem tudo para auxiliar as administradoras, para que tomem as melhores decisões em relação aos pretendentes de locação.

Você sabe o que é? Seguro Proteção Aluguel

,

Na matéria de hoje, falaremos sobre o Seguro Proteção Aluguel. Você sabe o que é e para que ele serve? Fique tranquilo (a), pois, caso não saiba ou tenha algumas dúvidas, pretendemos esclarecer agora! Continue lendo o post, a seguir, e confira nossas informações.

Sendo um seguro de vida, tem o nome técnico de Morte e Invalidez Permanente (MIP), com perda de renda (ou seja, desemprego ou incapacidade física temporária). Dessa forma, estão enquadradas nessa proteção todas as pessoas que estejam nas seguintes situações:

  • Desempregadas, tendo algum vínculo empregatício;
  • Quando um autônomo (independente do ramo profissional) sofre algum acidente ou qualquer eventualidade que o impeça de exercer suas atividades, ficando sem renda (incapacidade física temporária – IFT).

Entre os principais benefícios desse seguro está a garantia, para o proprietário do imóvel, de que não perderá a renda proveniente daquele aluguel, o que comprometeria todo o seu orçamento mensal. Já que, mesmo que ele vá receber esse valor (por meio do fiador ou outro similar), esse processo demorará, podendo, inclusive, ser custoso para ele.

O locatário, por sua vez, usufruindo desse seguro, não sofrerá o constrangimento de uma possível ação de despejo. Além disso, terá um tempo para se reestruturar e posicionar. Além disso, diferentemente do Seguro Fiança, nesse caso, ele não precisará repor esse dinheiro – tendo até um ano de aluguel e condomínio pagos pela seguradora, dependendo do caso.

Outra vantagem é que esse seguro, cujo pagamento é mensal, pode ser oferecido, pela imobiliária, em qualquer momento do aluguel, mesmo que o locatário já tenha assinado o contrato locatício e já esteja usufruindo do imóvel em questão. Ou seja, ele (seguro) pode ser adquirido tanto no início da locação, como no curso dela.

Do ponto de vista das imobiliárias e administradoras, contar com o Seguro Proteção Aluguel faz com o risco da inadimplência diminua, o que é bom para todos, uma vez que, quando o inquilino deixa de pagar uma locação, todos se prejudicam. Além disso, também pela questão de evitar a inadimplência, a empresa poderia aceitar inquilinos que antes estava na dúvida.

Todas essas vantagens são muito importantes, principalmente no atual cenário em que vivemos. Persistindo com a economia em baixa, mesmo com muitos esforços de diversos setores, muitos brasileiros estão com suas arrecadações reduzidas e, por isso, enfrentam situações chatas tanto de não conseguir arcar com suas despesas, como, no outro lado da moeda, de não receber por seus rendimentos.

Então, já estão mais do que provadas a importância e todas as facilidades desse modelo de seguro, não é verdade?! Esperamos que tenha gostado do post de hoje e que tenhamos te ajudado a sanar suas dúvidas sobre a questão, evidenciando sua relevância.

Quais as diferenças entre os tipos de vistorias

Você aí, sabe o que é a vistoria locatícia? Já ouviu falar, mas não entende o que ela é, ao certo?! Então, fique tranquilo (a), pois, nesta matéria, abordaremos esse tema, explicando, também, as diferenças entre os tipos de vistorias existentes. Continue lendo e saiba mais sobre o assunto!

Usada tanto para imóveis residenciais, como comerciais, a vistoria locatícia é feita para atestar o estado de conservação do imóvel que será/foi alugado, sendo uma importante ferramenta na administração de imóveis para locação. Essa análise é feita em relação a alguns aspectos, como, entre outros:

  • Rodapé;
  • Piso;
  • Hidráulica;
  • Móveis (caso haja);
  • Eletrodomésticos (caso haja), que precisam ser testados.

Seguindo a Lei do Inquilinato, o proprietário deve entregar o imóvel de maneira habitável para o locatário, que, por sua vez, precisa devolvê-lo nas mesmas condições em que o recebeu. E, com o auxílio de uma vistoria bem feita, alguns problemas e contratempos que poderiam surgir no futuro são evitados.

Em relação aos tipos de vistoria, são três os existentes:

  1. Inicial, feita no início da locação: atestando o estado de conservação do imóvel antes de ele ser alugado;
  2. De saída, feita ao final da locação: num comparativo entre as condições do imóvel no começo da locação (com base no laudo inicial) e a situação atual/final;
  3. De constatação, feita em qualquer período entre a inicial e a final: utilizada para constar qualquer mudança realizada dentro do imóvel, como obras e reformas.

É necessário que o vistoriador possua conhecimentos sobre o assunto, pois há alguns critérios técnicos que devem ser analisados, além da linguagem utilizada, que, apesar de conter alguns termos específicos, deve ser bem clara para o cliente. Também é importante contar com uma boa câmera fotográfica e saber usá-la.

Dessa forma, precisa-se de um profissional qualificado e de alguns aparatos (como a câmera), evitando erros e tornando a vistoria eficiente e menos custosa (já que, caso mal feita, deverá ser feita novamente, aumentando os custos). O ideal é, portanto, contratar um profissional que tenha um conhecimento técnico e específico sobre o assunto. #FicaADica