Você sabe o que é… Título de Capitalização?

Na matéria de hoje, falaremos sobre uma modalidade de garantia locatícia que não é tão famosa quanto, por exemplo, o fiador, mas que tem suas vantagens. Ainda não conhece?! Continue lendo o post e fique por dentro das características, diferenciais e benefícios desse modelo, a seguir!

O seguro-caução e o fiador são as formas mais conhecidas de garantias de aluguel, no Brasil. Porém, além dessas, existem várias outras maneiras de assegurar o dono do imóvel na hora de alugar sua propriedade, quanto ao recebimento do aluguel, e o Título de Capitalização é uma delas.

É uma garantia muito eficiente, uma vez que possibilita o aumento do múltiplo dos valores de aluguéis e taxas condominiais, aplicados como garantia da locação. Isso dependerá de cada pessoa, o que explicaremos melhor abaixo. Esses valores ficam caucionados no Título e ao contrato locatício.

Os valores não podem ser resgatados durante a locação em vigência. Só depois que o contrato de locação acaba, caso não haja nenhum dano constatado, o locatário recebe esse dinheiro de volta, acordado no Título de Capitalização, com as correções incidentes.

Durante a locação, alguma são as vantagens, para ambas as partes (locador e locatário), como, por exemplo:

  • Assessoria jurídica locatícia

Contratando um título a partir de R$ 6 mil, já se tem, automaticamente, direito a assistência jurídica locatícia gratuita, oferecida pela seguradora.

  • Assistência residencial 24 horas

Para você ficar tranquilo e seguro em seu lar.

  • Você como seu próprio fiador

Dessa forma, evitam-se constrangimentos com outras pessoas (que seriam seus fiadores), além de não ter perda de dinheiro, resgatando-o ao final do contrato.

Funciona, resumidamente, da seguinte maneira: a partir do momento que você compra um Título de Capitalização, ele se torna seu patrimônio. Você pode, inclusive, renová-lo, ao final de uma locação, para utilizá-lo para outro contrato locatício, sem a necessidade de fazer um novo.

O valor do Título de Capitalização variará com relação a cada cliente. Para calcular o valor necessário ao Título para aquele contrato em questão, são levados em consideração o perfil financeiro do cliente e os riscos de inadimplência daquela negociação.  

Então, analisando-se o comportamento financeiro daquela pessoa (cliente) no mercado, além de todo um apanhado de informações feito pela própria imobiliária, define-se o quanto de múltiplos de valores de aluguel e taxas devem ser solicitados àquele locatário.

Portanto, até as pessoas que apresentam maior risco podem utilizar esse recurso, deixando garantias maiores, proporcionalmente. E, com isso, mais contratos são fechados, já que a imobiliária e o locador ficarão assegurados, diminuindo o risco e convertendo em locações efetivas.

E então, o que você achou dessa forma de garantir o pagamento do aluguel e das taxas condominiais? Esperamos que tenha entendido todas as informações que trouxemos, esclarecendo essa modalidade, e gostado dessa alternativa. Se tiver qualquer dúvida, não hesite em nos perguntar!

Você sabe o que é? Seguro compreensivo do condomínio

Na matéria de hoje, resolvemos falar sobre um assunto que pode gerar muita confusão e dúvidas nas pessoas: o Seguro Compreensivo do Condomínio. Você conhece essa modalidade de seguro e a forma como ela é aplicada?! Continue lendo o post e saiba mais sobre o tema!

O Seguro Compreensivo do Condomínio é obrigatório (por decreto – Lei número 73/66 e número 10.406/200), podendo ser usado em todos os tipos de condomínio, seja puramente residencial, residencial com escritórios e consultórios, residencial com comércio, flat/apart hotel ou empresarial.

De acordo com o Código Civil, o síndico é a pessoa responsável tanto por contratar, como por renovar esse seguro e, dessa forma, pode ser acionado, inclusive judicialmente, em caso de erro ou omissão, respondendo pela negligência. Isso ressalta a importância da sua contratação.

Ele garante o condomínio contra o risco de destruição, cobrindo danos ocorridos à estrutura do prédio causados por incêndio, raio ou explosão, abrangendo tanto as áreas comuns, como as unidades independentes, e também os bens de propriedade do condomínio, como móveis, elevadores, equipamentos e objetos de decoração.

Nos condomínios horizontais, apenas as áreas comuns devem ser seguradas, já que cada condômino é responsável pela construção de sua própria unidade, adquirindo a cota do terreno, que fica sob sua inteira responsabilidade, e uma fração da área comum.

De forma resumida, a contratação do Seguro Compreensivo do Condomínio simples abrange as seguintes situações:

  • Incêndio;
  • Queda de raio;
  • Explosão;
  • Fumaça;
  • Queda de aeronaves.

Já a contratação ampla, conforme determinado pela CNSP 218, garante perdas e/ou danos materiais causados à edificação e partes comuns do imóvel segurado. Não estarão cobertos bens que representem conteúdo do condomínio, empregados, síndicos, condôminos e seus familiares.

Além disso, podem ser contratadas coberturas acessórias, como, por exemplo:

  • Alagamento e inundação;
  • Danos elétricos;
  • Desmoronamento;
  • Vendaval;
  • Impacto de veículos de terceiros;
  • Furto de bens com arrombamento e roubo;
  • Vazamento de tanques e tubulações.
  • Responsabilidade civil (síndico, condomínio, danos morais, portões automáticos, garagista)
  • E muito mais…

A transparência é garantida, já que é possível acompanhar, virtualmente, cada etapa, desde a contratação até o cotidiano das operações, com acesso a painéis de informações, certificados, apólices etc., além de atendimento especial, com canais exclusivos para esclarecimento dúvidas e troca de informações.

Para saber mais, acesse o Base Market: https://goo.gl/vkVVpw

Esperamos que você tenha gostado de todos os dados que trouxemos hoje, evidenciando a importância de deixar certa a contratação e manutenção do Seguro Compreensivo do Condomínio, independente do tipo de utilização dada ao seu condomínio. #FicaADica

 

Você conhece os termos técnicos do seu seguro?

Alguns termos técnicos presentes no seguro podem acabar confundindo quem não está tão familiarizado com esse meio e linguagem. Por isso, resolvemos trazer, na matéria de hoje, um guia simplificado de termos técnicos utilizados no seguro. Continue lendo e saiba mais!

As palavras utilizadas no mercado de seguros podem gerar interpretações errôneas a respeito do que realmente significam. Para evitar situações como essa e acabar com qualquer dúvida, te ajudando a entender os detalhes dos serviços que está contratando, confira os principais itens, a seguir.

  • Apólice

Formaliza o contrato de seguro, estabelecendo os direitos e deveres tanto da seguradora, como do segurado, além de discriminar as garantias contratadas.

  • Avaria

Termo do Direito Comercial que significa danos às mercadorias.

  • Aviso de sinistro

Comunicação da ocorrência de um sinistro (explicado posteriormente) que o segurado é obrigado a fazer à seguradora, assim que tiver conhecimento.

  • Beneficiário

Quem se beneficia com a indenização em caso de sinistro (pessoa física ou jurídica).

  • Bônus

Desconto para a renovação do seguro, desde que nenhuma ocorrência de sinistro, transferência de direitos ou obrigações ou qualquer interrupção no contrato tenha acontecido durante a vigência da apólice anterior.

  • Cobertura

Designa os riscos assumidos pelo segurador.

  • Cobertura adicional

Cobertura adicional ao contrato, mediante cobrança de prêmio adicional.

  • Endosso

Documento emitido pela seguradora por meio do qual são alterados dados e condições de uma apólice, de comum acordo com o segurado.

  • Prêmio

Importância paga pelo segurado ou proponente à seguradora, para que ela assuma o risco ao qual o segurado está exposto.

  • Salvados

Bens que se conseguem resgatar de um sinistro, ainda com valor comercial.

  • Seguro a prazo curto

Seguro contratado pelo prazo inferior a um ano.

  • Seguro a prazo longo

Contratado por período superior a um ano, com duração máxima, geralmente, de cinco anos.

  • Sinistro

Ocorrência de risco coberto, durante o período da vigência do plano do seguro.

E então, ficou mais fácil entender todo esse universo agora?! Esperamos que sim e que, com esse guia, você esteja mais preparado para ler, entender, analisar e discutir não só sobre os contratos, mas sobre tudo que diz respeito ao ambiente dos seguros.

 

Você sabe o que é? Seguro Incêndio Condomínio

A matéria de hoje vem falando de alguns detalhes relativos ao seguro incêndio imobiliário, muito importante para qualquer condomínio brasileiro. Você sabe o que ele é e para que serve?! Pois então continue lendo e entenda mais sobre esse assunto, a seguir!

De forma simplificada, esse seguro tem por objetivo proteger o patrimônio do proprietário, cliente da imobiliária. Vale ressaltar que é obrigatória, segundo a Lei do Inquilinato, a contratação desse seguro – estando isso, inclusive, explícito no contrato de locação.

A cobertura contratada pelas imobiliárias e administradoras pode variar, mas a maioria das empresas costuma contratar a cobertura principal, que abrange:

  • Incêndios;
  • Raios;
  • Explosão;
  • Fumaça;
  • Queda de aeronave.

Outra cobertura muito popular é a de perda de aluguel, que, no caso de acontecer algum incêndio, o seguro garante a cobertura do pagamento das despesas relativas à acomodação da pessoa/família em todo o período em que o local estiver sendo reparado.

A assistência 24 horas é outra opção, que beneficia o locatário, disponibilizando, entre outros, serviços como bombeiro hidráulico e chaveiro, por exemplo, enquanto o seguro estiver vigente. Essas atividades são de grande ajuda e deixam o morador muito mais confortável e seguro.

Contratar esse serviço através da imobiliária/administradora é uma alternativa mais barata para a aquisição do seguro, já que ela (administradora), por fazer diversos seguros, para uma quantidade grande de imóveis, consegue preços mais baixos, repassando-os aos clientes.

Portanto, além de atender a uma questão legal, ficando de acordo com a Lei do Inquilinato, optar por esse serviço garante a segurança e comodidade ao inquilino e ao proprietário do imóvel, além de custos mais baixos, quando contratado diretamente na imobiliária.

Esperamos que tenhamos te ajudado a esclarecer as principais dúvidas e questões relacionadas ao seguro incêndio imobiliário, evidenciando a importância da contratação desse serviço, inclusive para o cumprimento legal. Qualquer dúvida, não hesite em nos perguntar!

Você sabe o que é? Seguro Proteção Aluguel

,

Na matéria de hoje, falaremos sobre o Seguro Proteção Aluguel. Você sabe o que é e para que ele serve? Fique tranquilo (a), pois, caso não saiba ou tenha algumas dúvidas, pretendemos esclarecer agora! Continue lendo o post, a seguir, e confira nossas informações.

Sendo um seguro de vida, tem o nome técnico de Morte e Invalidez Permanente (MIP), com perda de renda (ou seja, desemprego ou incapacidade física temporária). Dessa forma, estão enquadradas nessa proteção todas as pessoas que estejam nas seguintes situações:

  • Desempregadas, tendo algum vínculo empregatício;
  • Quando um autônomo (independente do ramo profissional) sofre algum acidente ou qualquer eventualidade que o impeça de exercer suas atividades, ficando sem renda (incapacidade física temporária – IFT).

Entre os principais benefícios desse seguro está a garantia, para o proprietário do imóvel, de que não perderá a renda proveniente daquele aluguel, o que comprometeria todo o seu orçamento mensal. Já que, mesmo que ele vá receber esse valor (por meio do fiador ou outro similar), esse processo demorará, podendo, inclusive, ser custoso para ele.

O locatário, por sua vez, usufruindo desse seguro, não sofrerá o constrangimento de uma possível ação de despejo. Além disso, terá um tempo para se reestruturar e posicionar. Além disso, diferentemente do Seguro Fiança, nesse caso, ele não precisará repor esse dinheiro – tendo até um ano de aluguel e condomínio pagos pela seguradora, dependendo do caso.

Outra vantagem é que esse seguro, cujo pagamento é mensal, pode ser oferecido, pela imobiliária, em qualquer momento do aluguel, mesmo que o locatário já tenha assinado o contrato locatício e já esteja usufruindo do imóvel em questão. Ou seja, ele (seguro) pode ser adquirido tanto no início da locação, como no curso dela.

Do ponto de vista das imobiliárias e administradoras, contar com o Seguro Proteção Aluguel faz com o risco da inadimplência diminua, o que é bom para todos, uma vez que, quando o inquilino deixa de pagar uma locação, todos se prejudicam. Além disso, também pela questão de evitar a inadimplência, a empresa poderia aceitar inquilinos que antes estava na dúvida.

Todas essas vantagens são muito importantes, principalmente no atual cenário em que vivemos. Persistindo com a economia em baixa, mesmo com muitos esforços de diversos setores, muitos brasileiros estão com suas arrecadações reduzidas e, por isso, enfrentam situações chatas tanto de não conseguir arcar com suas despesas, como, no outro lado da moeda, de não receber por seus rendimentos.

Então, já estão mais do que provadas a importância e todas as facilidades desse modelo de seguro, não é verdade?! Esperamos que tenha gostado do post de hoje e que tenhamos te ajudado a sanar suas dúvidas sobre a questão, evidenciando sua relevância.