Posts

Saiba mais sobre a O2 Digital

A cada dia que passa, o mundo muda mais, e a tecnologia está mais presente em nosso dia a dia. Por exemplo: não é mais necessário ir ao banco para pagar um boleto, e para pedir um lanche, é só abrir um aplicativo. Tudo isso é possível graças aos smartphones e às inovações tecnológicas.

Neste contexto, sentimos a necessidade de oferecer essa facilidade a nossos clientes, e criamos a nossa nova plataforma: a O2 Digital. Neste sistema, as administradoras encontram soluções como vistoria locatícia, análise cadastral, crédito e, é claro, os seguros necessários para o bem-estar do seu condomínio, entre outras. A plataforma é completa, e, nela, a administradora terá uma máquina de vendas, podendo fechar negócios, tirar dúvidas sobre algum produto ou serviço e ter acesso a todos os resultados obtidos através da mesma.

A O2 Digital ainda tem mais um diferencial: seu uso não é cobrado. Pelo contrário, a O2 paga seus usuários, através do comissionamento e da remuneração compartilhada. Além disso, não podemos esquecer de citar as campanhas de cross-selling do Contratou-Ganhou, onde os clientes, ao contratarem um serviço, ganham outro totalmente de graça, de acordo com o contrato.

Com esta plataforma inovadora, buscamos gerar um valor perceptível para as administradoras e imobiliárias, para que possam oferecer os melhores serviços a seus clientes finais. Tudo isso para que possam ter um processo de conversão de locação e de seguros condominiais mais efetivo, veloz e transparente.

Para mais informações, assista o vídeo onde Luiz Filipe Rezende, diretor comercial do Grupo O2, fala mais sobre a O2 Digital: https://youtu.be/43jSD5NpB_E

 

4 situações em que o Seguro Residencial pode ser acionado

Encontrar o lugar ideal para morar é um dos grandes desejos de muitos brasileiros. E, ao realizá-lo, a maior preocupação é a segurança com seus bens e familiares.

Para evitar esses imprevistos que ameaçam a segurança, existe a opção de contratar um seguro. Como medida preventiva, o seguro é um ótimo investimento por um valor muito em conta.

Confira as situações em que o seguro residencial pode ser contratado.

1- A proteção contra incêndios geralmente faz parte da cobertura oferecida na apólice de seguro. Se o que está dentro do imóvel for atingido por fogo ou fumaça, seja causado por um acidente, curto-circuito ou queda de raio, o segurado não precisa se preocupar. Com essa cobertura, de acordo com o valor contratado, ele terá um ressarcimento do que foi perdido.

2- O Brasil é o país com o maior número de quedas de raio. Por isso, é importante que o seguro cubra a reposição de aparelhos eletrônicos e eletrodomésticos que queimarem por queda de raio e oscilação de energia.

3- Todos os imóveis estão à mercê da natureza. Como as chuvas e temporais são bastante comuns em determinadas épocas do ano, é importante que casas e apartamentos estejam protegidos em relação a perdas causadas pela natureza.

4- Mesmo tomando todo o cuidado possível, existe a possibilidade de assaltos ao imóvel. Este tipo de cobertura ampara os bens levados ou danificados em casos de furtos ou roubos, de acordo com o valor contratado previamente.

Sempre esperamos não passar por tais situações, mas, caso algum desses imprevistos aconteça, é muito importante estar amparado. Conheça nossos seguros em: https://www.o2seguros.com.br/seguros/

 

4 dicas sobre seguros obrigatórios para condomínios

,

Você sabia que todo prédio de habitação é obrigado a ter um seguro, que é considerado uma despesa ordinária e deve vir no extrato do condomínio como despesa de manutenção do prédio? Pois é!

De acordo com a Lei 4.591/64, o seguro deve ser feito dentro de 120 dias, contados a partir da data da concessão do documento que comprova que o imóvel foi construído de acordo com as exigências estabelecidas pelo código de obras da prefeitura. O condomínio que ignorar essa regra estará sujeito a multa.

Para desmistificar a questão e tirar algumas dúvidas, separamos, aqui, 4 dicas sobre os seguros obrigatórios dos condomínios. Confira!

  • O Seguro deve abranger toda a construção, contando as áreas comuns e as autônomas, visando garantir algum sinistro que cause incêndio ou destruição da construção. A cobertura deve abranger riscos de incêndio, raios, explosões, danos elétricos, desabamentos, vendavais, queda de aeronaves, entre outros acidentes.
    Inclusive, é interessante que uma cobertura completa seja escolhida, já que, assim, nem o síndico nem os condôminos terão maiores problemas ou prejuízos caso venha a acontecer algum acidente no condomínio.
  • O síndico é o responsável pela contratação do seguro obrigatório em um condomínio, não sendo necessária a consulta em Assembleia. O que vale ser explicado aos condôminos em reunião, por questões de transparência na administração, é a escolha da seguradora, os valores, condições de pagamento, etc.
    Existem, é claro, algumas coberturas opcionais nestes seguros, como a danos em elevadores e portões automáticos, furto ou roubo de automóveis, etc. Essas sim deverão ser discutidas e aprovadas em Assembleia pelos moradores.
  • É importante ressaltar que o seguro cobre apenas o condomínio, e deve ser contratado de acordo com a lei, respeitando o seu valor de mercado ou o valor em relação ao IPTU. Também cabe dizer que, caso queira, o condômino pode contratar a complementação do seguro em sua unidade.
  • Em regra, não a contratação de um seguro individual para um apartamento específico não interfere em relação ao seguro obrigatório por lei. Porém, ao contratar o seguro geral do condomínio, seria interessante que o síndico já solicitasse à seguradora alguns pacotes para aqueles que se interessarem em manter suas unidades asseguradas.

Esperamos que, com essas dicas, fique um pouco mais fácil de entender a importância e os detalhes do seguro obrigatório dos condomínios.

Caso ainda tenha dúvidas ou queira mais informações sobre esse (ou qualquer outro) tipo de seguro, entre em contato conosco. Nossa equipe comercial terá um grande prazer em atendê-lo.

Cuidados que devemos tomar com a piscina do condomínio

A piscina é uma das áreas mais frequentadas num condomínio, principalmente durante os dias mais quentes do ano. Por isso, alguns cuidados são necessários para que seu uso seja feito corretamente, mantendo a segurança de todos. No post de hoje, falaremos melhor sobre isso. Confira!

Dentre os pontos importantes a serem observados com relação à piscina estão a limpeza, a manutenção e, algo primordial, a segurança. Então, para evitar acidentes nessa área do prédio, preste atenção nas dicas a seguir, afastando-se de riscos e garantindo o melhor aproveitamento desse espaço:

 

Regras

 

É preciso verificar, na Convenção e no Regimento/Regulamento Interno, as normas e condutas que precisam ser seguidas nesse ambiente, preservando a boa convivência e a segurança de todos. Esses documentos devem prever situações que podem ocorrer, prevenindo-as através das regras para o local.

 

Horário de funcionamento

 

Esse é um dos aspectos que devem estar estipulados nos documentos do condomínio, tendo sido definido para o bem de todos, levando em conta fatores como iluminação, manutenção e suporte de funcionários, por exemplo.

 

Crianças

 

Elas nunca devem utilizar a piscina sozinhas, mesmo que saibam nadar. É essencial que sempre haja um adulto responsável (que saiba nadar) por perto, supervisionando-as. Caso você, condômino, veja que há uma criança sozinha na piscina, comunique ao síndico/zelador, para que seus responsáveis sejam contatados imediatamente.

 

Primeiros socorros

 

É muito importante que o condomínio possua uma caixa de primeiro socorros, que seja mantida adequadamente (verificando o estado e validade dos seus produtos). A existência e a localização desse kit devem ser do conhecimento de todos os moradores e funcionários.

 

Outras recomendações

 

  • Não utilize quaisquer utensílios dentro da piscina, como pratos, copos, taças, garrafas etc. Esses materiais podem se tornar perigosos para todos;
  • Não vá à piscina depois de ingerir bebidas alcoólicas ou ter comido demais;
  • Não corra ao redor da piscina, área que costuma ficar úmida, favorecendo quedas e acidentes, que podem ser realmente graves;
  • Não mergulhe de cabeça, já que isso só deve ser feito em piscinas de grande profundidade;
  • Não entre na piscina durante tempestades, correndo riscos desnecessários.

Esperamos que, com o auxílio dessas informações e sugestões que trouxemos, a piscina do seu condomínio seja aproveitada de forma tranquila e segura por todos, enaltecendo a importância de seguir as normas de cada edifício, sem exceções, e passar esse respeito às crianças e adolescentes.

Atenção à segurança do condomínio durante o carnaval!

,

Durante o carnaval, algumas pessoas aproveitam os dias pra viajar, deixando suas casas vazias, já outras recebem amigos e familiares em casa… Seja como for, o fato é que, nesse período, o fluxo e a dinâmica dos condomínios mudam. No post de hoje, trouxemos dicas de segurança para essa época.

Os prédios comerciais e, principalmente, residenciais, sofrem um verdadeiro desafio durante os dias de folia. Além dos visitantes conhecidos, os números de aluguéis por temporada se intensificam, gerando ainda mais movimentação no prédio, e de gente, muitas vezes, desconhecida por todos.

Muitas pessoas aproveitam as comemorações na rua, indo a blocos e festas, por exemplo, enquanto outros gostam de receber gente em casa, para comemorar – por vezes, fazem os dois, no popular esquenta feito na casa de alguém antes de um grupo de amigos sair para algum lugar.

Além disso, ainda há quem assista aos desfiles da Sapucaí, que começam à noite e acabam na manhã seguinte… Enfim, comemorações não faltam e, com isso, o entra e sai nos condomínios é grande, o que requer atenção redobrada, principalmente dos funcionários de portaria e zeladoria.

Ainda há aquelas pessoas que não gostam da “bagunça” e aproveitam esses dias para descansar. Por isso, para que a paz no condomínio seja mantida, todos devem ter respeito e bom senso, zelando pela boa convivência. De qualquer maneira, há algumas recomendações que ajudam nesse momento. Confira:

Aos condôminos e visitantes:

  • Nunca deixe as chaves do apartamento/carro na portaria ou com o zelador;
  • Ao sair, sempre verifique se portas e janelas estão bem trancadas;
  • Se você for viajar e precisa que alguém molhe plantas e/ou cuide de animais de estimação, entregue a chave a alguém de confiança, deixando, por escrito, ao síndico e à administradora, uma autorização, permitindo que a pessoa, identificando-se, entre no prédio e em sua unidade;
  • Ainda falando sobre quem vai ficar uns dias fora, se a viagem for um pouco mais longa, desligue a chave geral no quadro de força, além de fechar os registros de água e gás, evitando vazamentos.

Ao síndico e funcionários do prédio:

  • A segurança deve ser reforçada, inspecionando os circuitos de câmeras e alarme, caso o condomínio tenha esses equipamentos, garantindo que sua manutenção esteja em dia;
  • O rigor na entrada de pessoas estranhas no prédio deve ser maior, já que muitos bandidos se aproveitam desse período para realizar furtos e roubos;
  • No caso de hóspedes temporários (aluguéis por um curto período de tempo), eles devem ser devidamente identificados, com informações cedidas, previamente, pelo locador, ao síndico, que repassará aos funcionários do prédio;
  • As vagas de garagem devem ser constantemente fiscalizadas pelos funcionários, tanto as dos moradores, como as dos visitantes, evitando quaisquer irregularidades;
  • Nos condomínios com grandes áreas externas, um funcionário deve fazer rondas periódicas nesses locais, principalmente no período noturno;
  • Ao lidar, na portaria ou calçada do prédio, por qualquer motivo que seja, com foliões, que, nesse período, costumam perder um pouco a noção, tenha paciência, evitando discussões no caso de alguma ocorrência.

Nós garantimos que, com o auxílio das informações e sugestões que trouxemos nessa matéria, o seu condomínio, o síndico, os moradores, locatários, visitantes e os funcionários ficarão em paz, enfrentando os dias de folia com muito mais tranquilidade e alegria. #FicaADica

 

Fatores que podem facilitar a criminalidade nos condomínios

,

Como a preocupação com a violência é constante nos lares brasileiros, resolvemos tentar ajudar você, seus vizinhos e seu prédio, falando, hoje, de fatores que podem facilitar a criminalidade nos condomínios, para que, evitando-os, a segurança seja mantida. Confira!

Infelizmente, em nosso país, a violência é um problema bastante comum, especialmente nos grandes centros urbanos. Dessa maneira, todos devemos nos proteger como podemos – e dentro do condomínio não poderia ser diferente. Veja, a seguir, atitudes que precisam ser evitadas!

  • Inexistência de normas de segurança

Todo condomínio (aliás, todo local) precisa de normas de segurança claras para se manter protegido. Essas regras precisam constar na Convenção e/ou no Regimento Interno. Caso não existam, deve ser feita uma assembleia, para que os condôminos debatam o assunto e, em conjunto, decidam (através da maioria) as normas que precisam ser acrescentadas aos documentos oficiais – junto às penalidades de seu descumprimento.

Dessa forma, a entrada e movimentação de todos pelo prédio, incluindo moradores, funcionários, visitantes, prestadores de serviços etc. deve seguir processos preestabelecidos, garantindo a segurança e evitando problemas e furos na segurança. De qualquer forma, é necessário ficar atento a qualquer movimentação suspeita, observando, também, se os condôminos e funcionários estão seguindo corretamente as normas estipuladas.

  • Seleção inadequada de funcionários

Selecionar equivocadamente os funcionários domésticos é um grande erro e que pode facilitar bastante a criminalidade nos condomínios residenciais. Esses profissionais têm uma importância enorme sobre quem entra e sai de cada unidade, além de possuírem informações valiosas sobre as rotinas, bens e hábitos dos condôminos.

Por isso, antes de contratar alguém, é preciso fazer uma pesquisa aprofundada sobre os candidatos, verificando criteriosamente as fontes de referência, por exemplo. O mesmo também vale para os colaboradores do prédio (como porteiros, zeladores e seguranças) e prestadores de serviços terceirizados.

  • Falta de orientação adequada

Após contratar bons funcionários, tanto para as unidades, como para o edifício, em si, é necessário oferecê-los orientações adequadas, e, por vezes, dependendo da função que desempenham e da sua experiência (ou falta dela), treinamentos específicos.

No prédio, o síndico deve conversar com todos os profissionais, instruindo cuidadosamente principalmente aqueles que tenham participação no controle de acesso de moradores, visitantes e entregadores. Cursos, palestras e seminários são sempre interessantes, independente do cargo.

  • Pouco investimento em tecnologia

Um problema seriíssimo e bastante frequente, infelizmente, é a falta de investimento (ou o pouco investimento) em tecnologia. Os recursos tecnológicos, cada vez mais avançados, são de grande valia para qualquer condomínio, afastando problemas e mal intencionados.

As opções de investimento são muitas e de valores variados, desde a iluminação, até sistemas de comunicação e monitoramento, mas esse é um assunto que precisa ser discutido, urgentemente, com os outros moradores, propondo opções para melhorar a segurança do edifício.

E então, o que você achou desses tópicos que abordamos nessa matéria?! Como anda a segurança no seu condomínio? Compartilhe esse post com seus vizinhos e síndico, aproveitando para conversar sobre esse assunto tão importante para todos! #FicaADica

 

Seguro Proteção da Cota Condominial

Resolvemos falar, na matéria de hoje, sobre o Seguro Proteção da Cota Condominial. Você conhece essa modalidade, sabe o que é e quando é utilizada?! Para esclarecer essas e outras dúvidas, continue lendo o post que preparemos, a seguir, e fique por dentro!

Esse seguro, que é destinado tanto a locadores, como a locatários, sem nenhuma restrição de idade, garante que a taxa condominial do segurado continue sendo paga em casos, por exemplo, de morte, invalidez ou perda de renda por desemprego involuntário.

Aqui cabe, ainda, uma observação: caso o segurado tenha mais de 65 (sessenta e cinco) anos, a indenização será equivalente a 50% do capital segurado, o que representa três meses das cotas condominiais da sua unidade.

Ele é, realmente, muito importante, pois os cenários político e econômico vêm sendo, há algum tempo, desmotivantes e imprevisíveis, e, portanto, esse seguro foi desenvolvido com o objetivo de proteger o pagamento das cotas condominiais não só ordinárias, como extraordinárias.

Já que a economia e a sociedade não estão em seus melhores dias (sendo bem sutil, não é verdade?!), com taxas e impostos altos, insegurança constante, desemprego, altos índices de violência, além de diversos outros problemas, esse seguro aparece como uma solução de proteção a imprevistos.

Dessa maneira, no caso de alguma situação imprevista e inevitável, como as mencionadas no começo do post, acontecer, o segurado poderá continuar em dia com o pagamento de suas obrigações condominiais (cobranças mensais ordinárias e extraordinárias), evitando a inadimplência.

Entre os diferenciais desse seguro, estão:

  • Certificado da Seguradora

Sendo emitido um certificado individual pela seguradora, disponível em até 15 (quinze) dias após o pagamento do boleto com o valor do seguro incluso.

  • Valor Pré Fixado

A análise do perfil do cliente não influenciará no custo do seguro, já que ele é baseado no valor das taxas condominiais e não incide sobre os encargos legais.

Esperamos que as informações que trouxemos aqui tenham sido esclarecedoras e, mais do que isso, que tenham conseguido transmitir a grande importância que esse seguro tem, principalmente nos dias atuais, como mencionamos. Qualquer dúvida, nem pense duas vezes, nos pergunte!

 

A importância do monitoramento em condomínios

Monitorar o condomínio, garantindo sua segurança, sempre foi importante, não é verdade?! Porém, nos dias de hoje, com o aumento da violência, torna-se essencial tomar certas medidas, aumentando a tranquilidade dos moradores, com o auxílio, principalmente, da tecnologia. Confira!

O mercado de segurança eletrônica tem crescido muito, principalmente pelas razões mencionadas anteriormente. As pessoas, em geral, têm utilizado, cada vez mais, a tecnologia, e não seria diferente nos condomínios, principalmente a intenção sendo aumentar a segurança.

Dentre as opções mais populares e efetivas do monitoramento de condomínios, estão:

  • Câmeras de vigilância

As câmeras, que ficaram mais inteligentes e tecnológicas, podem ser espalhadas por todos os lugares do prédio, adequando-se a diferentes situações. É possível que elas filmem os ambientes 24 horas por dia, sendo monitoradas por pessoas/centrais, além de poderem ser automáticas, avisando ao proprietário, por exemplo, sobre algum movimento estranho que fora detectado. Os moradores também podem acompanhar as câmeras, com os sistemas atuais, em tempo real, através da internet.

  • Portarias eletrônicas

Cada vez mais utilizadas nos condomínios, as portarias eletrônicas automatizam todo o processo de entrada e saída de pessoas, encomendas e veículos. Ao invés de uma pessoa ficar responsável pela verificação visual da portaria (no caso, o porteiro), a tecnologia faz esse papel, tornando o serviço muito mais seguro, diminuindo as possibilidades de erros e situações de risco.

  • Biometria

Considerada uma das formas mais tranquilas e seguras de identificação, apesar de demandar certo investimento (produtos mais baratos podem apresentar problemas com a leitura das digitais), ela utiliza informações físicas da pessoa para garantir seu acesso ao prédio.

Na realidade, um sistema de segurança contempla diversos produtos e processos diferentes, e não apenas uma das alternativas mencionadas anteriormente (ou qualquer outra), sendo um conjunto que fará com que tudo funcione, efetivamente, com maior segurança.

De qualquer forma, é sempre importante, nesses casos, consultar um profissional de confiança ou uma empresa bem recomendada, para que seja feito um mapeamento da situação atual do condomínio e do que pode ser feito nele, lembrando-se de, sempre, optar por produtos e serviços de qualidade.

Esperamos que, com as informações que trouxemos, tenhamos esclarecido a importância de fazer um monitoramento efetivo no seu condomínio, garantindo a segurança de todos os moradores, funcionários e seus pertences. Qualquer dúvida, fale com a gente, que tentaremos ajudar!

Você sabe o que é… Título de Capitalização?

Na matéria de hoje, falaremos sobre uma modalidade de garantia locatícia que não é tão famosa quanto, por exemplo, o fiador, mas que tem suas vantagens. Ainda não conhece?! Continue lendo o post e fique por dentro das características, diferenciais e benefícios desse modelo, a seguir!

O seguro-caução e o fiador são as formas mais conhecidas de garantias de aluguel, no Brasil. Porém, além dessas, existem várias outras maneiras de assegurar o dono do imóvel na hora de alugar sua propriedade, quanto ao recebimento do aluguel, e o Título de Capitalização é uma delas.

É uma garantia muito eficiente, uma vez que possibilita o aumento do múltiplo dos valores de aluguéis e taxas condominiais, aplicados como garantia da locação. Isso dependerá de cada pessoa, o que explicaremos melhor abaixo. Esses valores ficam caucionados no Título e ao contrato locatício.

Os valores não podem ser resgatados durante a locação em vigência. Só depois que o contrato de locação acaba, caso não haja nenhum dano constatado, o locatário recebe esse dinheiro de volta, acordado no Título de Capitalização, com as correções incidentes.

Durante a locação, alguma são as vantagens, para ambas as partes (locador e locatário), como, por exemplo:

  • Assessoria jurídica locatícia

Contratando um título a partir de R$ 6 mil, já se tem, automaticamente, direito a assistência jurídica locatícia gratuita, oferecida pela seguradora.

  • Assistência residencial 24 horas

Para você ficar tranquilo e seguro em seu lar.

  • Você como seu próprio fiador

Dessa forma, evitam-se constrangimentos com outras pessoas (que seriam seus fiadores), além de não ter perda de dinheiro, resgatando-o ao final do contrato.

Funciona, resumidamente, da seguinte maneira: a partir do momento que você compra um Título de Capitalização, ele se torna seu patrimônio. Você pode, inclusive, renová-lo, ao final de uma locação, para utilizá-lo para outro contrato locatício, sem a necessidade de fazer um novo.

O valor do Título de Capitalização variará com relação a cada cliente. Para calcular o valor necessário ao Título para aquele contrato em questão, são levados em consideração o perfil financeiro do cliente e os riscos de inadimplência daquela negociação.  

Então, analisando-se o comportamento financeiro daquela pessoa (cliente) no mercado, além de todo um apanhado de informações feito pela própria imobiliária, define-se o quanto de múltiplos de valores de aluguel e taxas devem ser solicitados àquele locatário.

Portanto, até as pessoas que apresentam maior risco podem utilizar esse recurso, deixando garantias maiores, proporcionalmente. E, com isso, mais contratos são fechados, já que a imobiliária e o locador ficarão assegurados, diminuindo o risco e convertendo em locações efetivas.

E então, o que você achou dessa forma de garantir o pagamento do aluguel e das taxas condominiais? Esperamos que tenha entendido todas as informações que trouxemos, esclarecendo essa modalidade, e gostado dessa alternativa. Se tiver qualquer dúvida, não hesite em nos perguntar!

Como deixar a casa mais segura?

A segurança é uma preocupação constante entre muitos brasileiros, principalmente porque os níveis de violência têm aumentado, tornando-se ainda mais preocupantes. Por isso, resolvemos tentar te ajudar de alguma forma, trazendo, no post de hoje, dicas de como deixar sua casa mais segura. Confira a seguir!

  • Caso você vá fazer uma viagem, deixando o imóvel sozinho, peça para amigos ou familiares de confiança passarem na sua casa com certa frequência, regando as plantas existentes e movimentando o local;
  • Em contrapartida, não comente com estranhos sobre qualquer período de ausência, evitando “curiosos”. Se possível, desligue a campainha do imóvel, evitando um truque em que as pessoas tocam apenas para testar se há pessoas na casa ou se ela está vulnerável.
  • Em qualquer circunstância, não deixe muito dinheiro e joias e objetos de valor em casa. Utilize os cofres dos bancos, por exemplo.
  • Caso você tenha um jardim, mantenha-o sempre limpo e organizado, evitando a sensação de abandono, que pode atrair bandidos.
  • Utilize câmeras na frente da casa e nas áreas de entrada dela, assegurando-se e inibindo mal intencionados.
  • Além disso, a iluminação também é um fator muito importante. Utilizando spots com LED, que gastam bem pouca energia, deixando algumas áreas acesas durante toda a noite.

E então, o que você achou de nossas sugestões? Já seguia alguma (s) dessas medidas?! Tem outras dicas?! Se sim, divida-as com a gente e, dessa forma, nos ajude a transformar outros lares em locais seguros e mais protegidos de ações de bandidos.