Posts

Valor médio do seguro automotivo teve queda no país em 2019

De acordo com um levantamento da TEx, o valor pago pelos motoristas para fazer um seguro caiu em todas as capitais brasileiras, de junho de 2018 para o começo de 2019.

O estudo foi realizado utilizando como base as cotações feitas via Teleport, plataforma de gestão e multicálculo da empresa, e levou em consideração mais de 2 milhões de cotações reais feitas nos últimos 60 dias.

 O menor valor médio de seguro anual pago no Brasil fica no estado de Santa Catarina: R$ 2646,00. No ano passado, era de R$ 2932,00. Na Paraíba, o valor é bem parecido: R$ 2656,00. Porém, em 2018 era bem maior: R$3194,00. Na Região Nordeste, o Rio Grande do Norte também apresenta um valor mais baixo para 2019: R$ 2965,00.

O valor médio do seguro mais caro do país pertence ao estado de Roraima – R$ 6058,00. O valor ainda sofreu uma considerável queda. Entre junho e julho de 2018 chegou a R$ 8.720,00. O segundo lugar fica com o Mato Grosso: R$ 4.088,00 anuais. No ano passado, chegou a R$ 4985,00.

No Tocantins, a maior retração: R$ 6439,00 nos meses de junho e julho de 2018. Em 2019, o valor diminuiu para R$ 3740,00.

Os paulistas em 2019 pagarão menos no seguro que os cariocas. Em São Paulo, o valor médio pago entre os meses de junho e julho de 2018 chegava a R$ 3273,00. Já em Janeiro o valor é de R$ 3037,00. No Rio de Janeiro o valor caiu de R$ 4187,00 para R$ 3844,00.

Na capital federal o valor diminuiu de R$ 3563,00 para R$ 3025,00.

Impacto

Além de promover insegurança, os roubos e furtos de veículos também refletem no bolso. Os casos impactam diretamente no preço dos seguros. Diversos fatores impactam na formação do preço do seguro de cada estado. Por exemplo, o número de veículos segurados e o perfil dos modelos mais procurados. É fato que os índices de violência refletem no número de sinistros, tornando-se um dos mais importantes fatores na definição do valor médio do seguro.

Confira as médias de seguro em cada estado, de acordo com a pesquisa:

Fonte: Revista Apólice

Como proteger a sua casa de incidentes?

,

Além das pessoas que amamos, normalmente, nossos bens mais preciosos ficam em casa. Por isso, é importante garantir a segurança de nosso lar. Atualmente, isso pode ser resolvido com equipamentos e ferramentas de segurança, que podem ajudar a ter um controle maior sobre a residência. Confira os principais!

  1. Câmeras de segurança: elas são ótimas opções para quem quer proteger seu patrimônio, já que monitoram e gravam imagens de vários pontos estratégicos ao mesmo tempo. Assim, as pessoas que estão circulando por esses ambientes estão sendo vigiadas, o que pode ajudar a inibir atos criminosos.
    E o melhor: em alguns sistemas, é permitido o acesso à distância, via internet, no computador ou em app de celular. Com isso, o conforto e a praticidade são aliados à segurança.
  2. Cerca elétrica: é outro dispositivo bastante utilizado, principalmente em casas e ao redor de condomínios. Ela tem a função de repelir possíveis invasores com um choque não letal, mas que gera um incômodo que tende a fazer com que o invasor vá embora. A cerca elétrica dispara quando um fio é rompido ou aterrado.
  3. Alarmes: em determinados horários, os alarmes monitoram a movimentação no ambiente, emitindo sinais de emergência silenciosos. Assim, ele avisa ao dono sobre alguma ação suspeita no imóvel onde está instalado.
  4. Sistema de detecção de incêndios: estes sistemas garantem que incêndios sejam percebidos rapidamente, evitando que ele se alastre e facilitando que a casa seja evacuada. Eles podem ser químicos, ópticos, por aspiração, entre outros, e, no geral, funcionam a partir da identificação de fumaça ou altas temperaturas.
  5. Seguro Residencial: para resguardar possíveis prejuízos causados por roubos, furtos, incêndios, desmoronamentos e muitos outros motivos, a contratação de um seguro residencial é muito indicada. Na hora de contratá-lo, fatores como o índice de assaltos na região, a incidência de chuvas, possibilidade de desmoronamentos (e outros) devem ser levados em consideração.

Você já conhece as nossas opções de Seguros Residenciais? Acesse a área no site e confira qual é o melhor para você: https://www.o2seguros.com.br/seguros/

4 situações em que o Seguro Residencial pode ser acionado

Encontrar o lugar ideal para morar é um dos grandes desejos de muitos brasileiros. E, ao realizá-lo, a maior preocupação é a segurança com seus bens e familiares.

Para evitar esses imprevistos que ameaçam a segurança, existe a opção de contratar um seguro. Como medida preventiva, o seguro é um ótimo investimento por um valor muito em conta.

Confira as situações em que o seguro residencial pode ser contratado.

1- A proteção contra incêndios geralmente faz parte da cobertura oferecida na apólice de seguro. Se o que está dentro do imóvel for atingido por fogo ou fumaça, seja causado por um acidente, curto-circuito ou queda de raio, o segurado não precisa se preocupar. Com essa cobertura, de acordo com o valor contratado, ele terá um ressarcimento do que foi perdido.

2- O Brasil é o país com o maior número de quedas de raio. Por isso, é importante que o seguro cubra a reposição de aparelhos eletrônicos e eletrodomésticos que queimarem por queda de raio e oscilação de energia.

3- Todos os imóveis estão à mercê da natureza. Como as chuvas e temporais são bastante comuns em determinadas épocas do ano, é importante que casas e apartamentos estejam protegidos em relação a perdas causadas pela natureza.

4- Mesmo tomando todo o cuidado possível, existe a possibilidade de assaltos ao imóvel. Este tipo de cobertura ampara os bens levados ou danificados em casos de furtos ou roubos, de acordo com o valor contratado previamente.

Sempre esperamos não passar por tais situações, mas, caso algum desses imprevistos aconteça, é muito importante estar amparado. Conheça nossos seguros em: https://www.o2seguros.com.br/seguros/

 

Saiba como proteger sua casa de chuvas e temporais

Em questão de poucos minutos, o dia se transforma em noite: o céu ensolarado dá lugar a nuvens escuras e extremamente carregadas. Para algumas pessoas, o prenúncio de que chuvas e temporais estão a caminho é um motivo para ficar alerta.

Tamanha preocupação se justifica: os estragos provocados podem ser devastadores, especialmente para quem vive em regiões de risco. Mesmo que este não seja o seu caso, a adoção de algumas medidas preventivas é sempre prudente.

Afinal de contas, é compreensível que as pessoas queiram proteger sua casa da fúria da natureza. Neste post, listamos alguns cuidados essenciais para assegurar a integridade de sua família e de seu patrimônio.

Feche todas as janelas

Embora existam serviços especializados, vale lembrar que nem sempre a previsão do tempo é infalível. Ainda que os meteorologistas tenham alertado para a ocorrência de chuvas, a água pode cair com mais intensidade do que o esperado.

Especialmente no verão, é comum que o volume estimado para um mês inteiro seja registrado em poucos dias, ou mesmo em algumas horas. Na estação mais quente do ano, chuvas e temporais costumam ser frequentes.

Assim, a primeira orientação é fechar as janelas, tão logo o tempo comece a escurecer. Sempre que não houver ninguém na residência, faça isso antes de sair: em caso de uma viagem prolongada, tome também outros cuidados. Afinal de contas, bastam alguns minutos de água caindo para provocar um estrago.

Na melhor das hipóteses, a sua distração vai lhe render “apenas” o trabalho de secar o chão. Num cenário mais catastrófico, porém, objetos que estão próximos à janela podem ser inutilizados pela infiltração da água. A umidade também é prejudicial para pisos de madeira e carpetes.

Desconecte aparelhos da tomada

Outra dica bastante útil dentro de casa é desconectar aparelhos eletrônicos da tomada. Essa é uma providência necessária para evitar que eles sejam queimados pela sobrecarga de energia.

E as estatísticas mostram que há fundamento para se preocupar. Levantamento do Grupo de Eletricidade Atmosférica (ELAT), mantido pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), aponta que o Brasil é líder mundial na incidência de raios por ano.

Mais comuns na primavera e no verão, o país atinge a impressionante marca de 50 milhões de descargas elétricas neste intervalo de tempo. Para efeito de comparação, o impacto provocado por um relâmpago é mil vezes mais potente do que a corrente elétrica que passa pelo fio de um chuveiro.

Para casos de apagões, tenha em mãos sempre uma lanterna ou então geradores de pequeno porte. Embora relativamente comum nesta situação, o uso de velas para iluminar o ambiente não é recomendável, tendo em vista o risco de acidentes por descuido no manuseio.

Limpe calhas e ralos

Visando evitar dores de cabeças provocadas por chuvas e temporais, providencie também a limpeza de calhas e ralos, para permitir o escoamento da água. O acúmulo de galhos e folhas provoca o entupimento, ampliando as chances de ocorrer um transbordamento.

Quanto aos pisos, são dois os cuidados básicos: recomenda-se a opção por modelos antiderrapantes para amenizar o risco de acidentes por conta do chão molhado, especialmente quando há idosos ou pessoas com mobilidade reduzida. Do mesmo modo, o ideal é que o caimento favoreça o fluxo do líquido até os ralos.

Invista em manutenção periódica

Outro ponto importante é investir em uma manutenção periódica. Assim, será possível verificar continuamente o estado da fiação elétrica — essa medida afasta o risco de um curto-circuito — bem como a existência de umidade e infiltrações nas paredes.

Também como medida preventiva, confira a conservação dos telhados, estrutura da casa que mais costuma ser atingida com os temporais. Com o auxílio de uma escada, verifique se as telhas estão intactas e bem encaixadas. Constatada alguma falha, providencie a substituição imediata das peças com defeito.

Caso contrário, podem surgir os conhecidos pontos de goteiras. Outra solução para esta área é a aplicação de produtos impermeabilizantes ou a substituição de telhas de cerâmica pelas de cimento, reconhecidas por sua durabilidade.

Na lista de itens que devem ser periodicamente revisados também estão os vidros. Com a força dos ventos, é possível que eles se quebrem, gerando estilhaços por toda a proximidade, o que pode se transformar em um grave acidente caso haja alguém por perto.

Fonte: Meu Porto Seguro

Saiba quais são os principais acidentes domésticos e como evitá-los

Acidentes domésticos são mais comuns do que se imagina. A boa notícia é que, em grande parte dos casos, esse tipo de ocorrência pode ser evitado com algumas medidas simples. Veja, a seguir, algumas dicas de como prevenir.

Queimaduras no fogão

Um dos grandes perigos da casa está na cozinha: o fogão. Os casos de queimaduras domésticas são muito comuns.

A maioria dos acidentes com queimaduras envolve crianças pequenas, que, por curiosidade e desaviso, mexem nas panelas que estão no fogão e acabam por virá-las sobre si.

Uma forma de evitar acidentes assim é sempre manter os cabos das panelas virados para dentro, desse jeito a criança não alcançará para puxá-las nem correrá o risco de passar por perto e bater no cabo da panela, derrubando-a.

Inalação de gás

Crianças pequenas costumam se encantar com os botões do fogão, e mexer neles é tentador. O problema é que a criança pode causar um vazamento de gás sem que o adulto responsável por ela perceba.

Para evitar esse risco, mantenha o registro do gás fechado sempre que não estiver em uso. Se o seu gás não for encanado, instale o botijão em uma área externa, assim, caso aconteça algum vazamento diretamente dele, não haverá perigo de explosões e intoxicação por inalação de gás.

Intoxicação com produtos de limpeza

Intoxicação com produtos de limpeza também é uma ocorrência muito comum com crianças pequenas. Armazenar produtos de limpezas em lugares de fácil acesso para as crianças é um convite para explorar, e é aí que mora o perigo.

Não são raros os casos em que crianças conseguem abrir a embalagem dos produtos e acabam por ingeri-los, intoxicando-se gravemente.  Caso isso ocorra, a recomendação é ir com a criança imediatamente a um Pronto Socorro. Não se esqueça de que é importante levar, também, a embalagem do produto.

O ideal, no entanto, é evitar acidentes como esse, procurando sempre armazenar produtos de limpeza em lugares aos quais a criança e animais domésticos não tenham acesso, sempre no alto. Se isso não for possível, coloque trincos ou cadeados nas portas dos armários.

Quedas

Quedas são comuns em qualquer fase da vida, mas no caso de quem é idoso, uma simples queda pode se tornar um grande problema devido à fragilidade dos ossos.

Algumas medidas simples vão ajudar a prevenir essa situação:

  • Tapetes devem ser evitados, mas caso sejam indispensáveis dê preferência aos antiderrapantes que grudam no chão e não oferecem risco de escorregar ao pisar;
  • coloque corrimão nas escadas para dar apoio na hora de subir e descer;
  • barras também devem ser colocadas no banheiro ao lado do vaso sanitário e nas paredes próximas ao chuveiro;
  • deixar todos os cômodos sempre bem-iluminados também pode fazer a diferença na hora de enxergar obstáculos no caminho.

Com esses cuidados simples, sua casa pode se tornar um ambiente muito mais seguro, trazendo mais proteção para você e quem você ama. Em todo caso, é sempre bom ter garantias para quando algo acontecer, por isso não deixe de fazer um seguro residência para que você esteja resguardado de acidentes e conte com apoio a qualquer momento!

 

Fonte: Meu Porto Seguro

3 riscos do vazamento de gás

Evite os riscos trazidos por problemas nos aquecedores, no fogão ou manuseio incorreto do botijão de gás.

Explosão e incêndio

O gás é uma substância altamente inflamável, daí sua utilidade em fogões e aquecedores. Uma simples faísca é capaz de gerar uma explosão e ainda aumentar o risco de um incêndio.

Asfixia

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, o GLP (ou gás liquefeito de petróleo, como também é chamado o gás de cozinha) não tem odor próprio, e o cheiro que sentimos quando há um vazamento é causado por um produto adicionado ao gás justamente para que possamos detectar quando há algo de errado. E apesar de não ser tóxico, o gás pode causar asfixia, já que respirá-lo significa inspirar menos ou nenhum oxigênio.

Aumento na conta

Além dos riscos mencionados acima, mesmo quando o vazamento é pequeno, ele aumenta sua despesa com gás, já que o GLP vazado é desperdiçado.

Aumentos significativos na conta de gás ou na frequência de troca dos botijões, portanto, podem apontar para um vazamento no local. Fique atento a sua conta para detectar se há algo de estranho, dessa forma, você pode resolver o problema antes que ele se agrave.

Como detectar o vazamento de gás

Além do aumento nos gastos com o GLP e o cheiro característico, existem outras evidências do vazamento de gás:

-Passe uma esponja com água e sabão nas conexões, se aparecerem bolhas, é sinal de vazamento.

-Feche as válvulas ou os registros perto dos aparelhos de gás e confira, durante 20 minutos, se ainda assim há algum consumo.

-Tubulações de gás enferrujadas também podem ser sinônimo de problemas.

O que fazer em caso de vazamento

Se a hipótese do vazamento for confirmada, siga os passos a seguir:

-Imediatamente, feche o registro ou a conexão de gás.

-Evite encostar em aparelhos elétricos e interruptores do local.

-Os ventiladores não podem ser utilizados de forma alguma, já que podem soltar faíscas.

-Caso seu gás seja encanado, entre em contato com seu fornecedor. Do contrário, ligue para os bombeiros pelo 193 e acione também a companhia que forneceu seu botijão.

Como prevenir o problema

A instalação de gás mal realizada é tão grave quanto a precariedade de uma rede elétrica. Para prevenir problemas, o gás, em botijão ou encanado, bem como os aparelhos que o utilizam, deve ser instalado por um profissional em um local onde haja boa ventilação para que se dissipe no caso de um vazamento. Fazer uso de gás em um lugar fechado é extremamente arriscado.

Agora que você já sabe como identificar e prevenir o vazamento de gás e conhece também os riscos que esse problema pode trazer, compartilhe as dicas com seus amigos e familiares, assim, todos ficam atentos protegidos!

Fonte: Meu Porto Seguro

Câmeras de segurança: tipos e onde instalar no condomínio

Cada vez mais pessoas estão procurando a comodidade e segurança de morar em um condomínio fechado. Ter uma portaria vigiada 24 horas, guarita blindada, além de seguranças por toda a parte são fatores que aumentam essa sensação de proteção.

Nesse sentido, as câmeras de segurança são itens fundamentais. Existem vários modelos disponíveis no mercado, que se diferem em tamanho, alimentação, alcance, etc. A seguir apresentaremos alguns tipos e daremos dicas de onde instalar as câmeras em seu condomínio.

 

Quais os tipos de câmeras de segurança?

São muitos. Para facilitar, vamos separá-los por categorias: conforme o tipo de alimentação, transmissão, recepção e resolução da câmera.

 

Alimentação

Hoje o mercado é dominado por câmeras digitais, sendo que as analógicas somente complementam sistemas já existentes. Muitas são alimentadas por baterias, o que é favorável pois dessa forma elas não dependem de cabos de energia. Existem, também, modelos alimentados pelos cabos de rede, dispensado a instalação de mais cabos elétricos.

 

Transmissão

Cabo de rede e wireless (sem fio) são os tipos mais comuns de transmissão. O primeiro é mais indicado para lugares com menor extensão, pois não exige um cabeamento muito longo. Já o segundo é muito mais prático e mais usado hoje em dia, pois não exige cabos e pode ser utilizado em áreas bem maiores.

 

Recepção

A maioria das câmeras de segurança, hoje, é IP, ou seja, pode ser acessada de qualquer celular ou computador. Isso gera uma grande praticidade, pois qualquer ponto do condomínio pode ser monitorado de qualquer lugar.

 

Iluminação, resolução e outros detalhes

Quanto à iluminação, as câmeras com sensor CCD são as mais procuradas, uma vez que se adaptam facilmente em locais pouco iluminados.

A resolução é medida pelo número de linhas horizontais. Sendo assim, é recomendado comprar modelos a partir de 480 linhas. Lembre-se que câmeras também têm a função de identificar um possível criminoso. Existem, ainda, as que se movimentam horizontal e verticalmente, sendo possível acompanhar detalhadamente qualquer ação.

 

Onde instalar as câmeras no condomínio?

A quantidade de câmeras de segurança que devem ser instaladas no condomínio varia de acordo com a área total.

É recomendado o uso de, pelo menos, uma câmera a cada cinquenta metros na área externa do condomínio. Além disso, áreas como playground, piscina, estacionamento e áreas de fundo ― geralmente mal iluminadas ― merecem atenção especial.

O que vai sempre determinar a área de cobertura e capacidade de aproximação de uma câmera é a lente, que pode variar de 04 a 18 mm, além da presença de infravermelho e microfone para captação de áudio.

É importante que haja um bom planejamento das áreas a serem cobertas antes de adquirir um sistema de câmeras, levando em conta a iluminação e o tamanho de cada local.

 

Quem terá acesso às imagens?

Uma vez instalado o sistema de câmeras de segurança do condomínio, é preciso ficar atento à questão do acesso às imagens captadas.

Lembre-se de que os condomínios têm áreas comuns como hall de entrada, garagem e corredores. Nesses locais, o acesso às imagens gravadas é permitido a qualquer morador, para que este saiba quem anda circulando pelo condomínio, gerando uma relação sadia entre os moradores.

Já em locais mais fechados, como elevadores e salão de festas, é mais prudente (mas não obrigatório) que somente zeladores e seguranças observem as câmeras.

Hoje você viu como planejar a instalação de câmeras de segurança em seu condomínio, analisando os diferentes tipos para cada área e propósito. Se gostou de nossas dicas ou ficou com alguma dúvida, não deixe de comentar no post.

 Fonte: Condlink

Cuidados que devemos tomar com a piscina do condomínio

A piscina é uma das áreas mais frequentadas num condomínio, principalmente durante os dias mais quentes do ano. Por isso, alguns cuidados são necessários para que seu uso seja feito corretamente, mantendo a segurança de todos. No post de hoje, falaremos melhor sobre isso. Confira!

Dentre os pontos importantes a serem observados com relação à piscina estão a limpeza, a manutenção e, algo primordial, a segurança. Então, para evitar acidentes nessa área do prédio, preste atenção nas dicas a seguir, afastando-se de riscos e garantindo o melhor aproveitamento desse espaço:

 

Regras

 

É preciso verificar, na Convenção e no Regimento/Regulamento Interno, as normas e condutas que precisam ser seguidas nesse ambiente, preservando a boa convivência e a segurança de todos. Esses documentos devem prever situações que podem ocorrer, prevenindo-as através das regras para o local.

 

Horário de funcionamento

 

Esse é um dos aspectos que devem estar estipulados nos documentos do condomínio, tendo sido definido para o bem de todos, levando em conta fatores como iluminação, manutenção e suporte de funcionários, por exemplo.

 

Crianças

 

Elas nunca devem utilizar a piscina sozinhas, mesmo que saibam nadar. É essencial que sempre haja um adulto responsável (que saiba nadar) por perto, supervisionando-as. Caso você, condômino, veja que há uma criança sozinha na piscina, comunique ao síndico/zelador, para que seus responsáveis sejam contatados imediatamente.

 

Primeiros socorros

 

É muito importante que o condomínio possua uma caixa de primeiro socorros, que seja mantida adequadamente (verificando o estado e validade dos seus produtos). A existência e a localização desse kit devem ser do conhecimento de todos os moradores e funcionários.

 

Outras recomendações

 

  • Não utilize quaisquer utensílios dentro da piscina, como pratos, copos, taças, garrafas etc. Esses materiais podem se tornar perigosos para todos;
  • Não vá à piscina depois de ingerir bebidas alcoólicas ou ter comido demais;
  • Não corra ao redor da piscina, área que costuma ficar úmida, favorecendo quedas e acidentes, que podem ser realmente graves;
  • Não mergulhe de cabeça, já que isso só deve ser feito em piscinas de grande profundidade;
  • Não entre na piscina durante tempestades, correndo riscos desnecessários.

Esperamos que, com o auxílio dessas informações e sugestões que trouxemos, a piscina do seu condomínio seja aproveitada de forma tranquila e segura por todos, enaltecendo a importância de seguir as normas de cada edifício, sem exceções, e passar esse respeito às crianças e adolescentes.

Seguro Incêndio Imobiliário – o que você precisa saber

Na matéria de hoje, falaremos melhor, trazendo diversas informações, sobre um seguro extremamente importante: o Seguro Incêndio Imobiliário. Por isso, para conhecer um pouco mais sobre essa modalidade, entendendo-a melhor e conferindo alguns detalhes, continue lendo esse post!

O Seguro Incêndio Imobiliário visa proteger o patrimônio do proprietário do imóvel, cliente da imobiliária. De acordo com a Lei do Inquilinato, assim como expresso no contrato de locação, a contratação desse seguro é obrigatória. A administradora deve, então, salientar essa obrigatoriedade.

No momento do fechamento do contrato de locação, a imobiliária/administradora tem a missão de auxiliar o cliente, ajudando-o, inclusive, na contratação desse seguro, principalmente por se tratar de algo obrigatório. A empresa orientará o cliente a respeito de fatores importantes do seguro.

Em relação à cobertura, a principal desse seguro, que é normalmente contratada pelas imobiliárias/administradoras, resguarda o imóvel quando situações como incêndio, raios, explosões, fumaças e queda de aeronave ocorrem, estando o imóvel, portanto, protegido.

A cobertura de perda de aluguel cobre, em casos de incêndios, o pagamento das despesas com acomodação em outro local, no período em que o imóvel afetado estiver sendo reparado dos danos ocorridos. Esse é um diferencial extremamente tranquilizador para o inquilino.

Já a assistência 24 horas, por sua vez, beneficia o locatário de diversas formas, com soluções como, por exemplo, a disponibilidade de profissionais como bombeiros hidráulicos e chaveiros, em qualquer horário do dia, durante, é claro, a vigência do seguro.

Quando o locatário contrata o serviço do Seguro Incêndio Imobiliário através da própria administradora/imobiliária, consegue preços melhores, já que, com a imobiliária tendo vários clientes dos quais faz seguros, a taxa do mesmo acaba ficando reduzida, pela grande quantidade que ela contrata.

É importante ressaltar que o certificado do seguro tem que ser, impreterivelmente, emitido pela seguradora, não pela corretora de seguros e, tampouco, pela administradora. Emitindo o certificado e a apólice, é ela a responsável, também, pelo pagamento de possíveis sinistros.

Esperamos que você tenha gostado da matéria de hoje e que, nela, tenhamos conseguido esclarecer os aspectos importantes do Seguro Incêndio Imobiliário. Se você tiver alguma dúvida, nem pense duas vezes, pergunte-nos, que nós tentaremos ajudar, sempre!

Atenção à segurança do condomínio durante o carnaval!

,

Durante o carnaval, algumas pessoas aproveitam os dias pra viajar, deixando suas casas vazias, já outras recebem amigos e familiares em casa… Seja como for, o fato é que, nesse período, o fluxo e a dinâmica dos condomínios mudam. No post de hoje, trouxemos dicas de segurança para essa época.

Os prédios comerciais e, principalmente, residenciais, sofrem um verdadeiro desafio durante os dias de folia. Além dos visitantes conhecidos, os números de aluguéis por temporada se intensificam, gerando ainda mais movimentação no prédio, e de gente, muitas vezes, desconhecida por todos.

Muitas pessoas aproveitam as comemorações na rua, indo a blocos e festas, por exemplo, enquanto outros gostam de receber gente em casa, para comemorar – por vezes, fazem os dois, no popular esquenta feito na casa de alguém antes de um grupo de amigos sair para algum lugar.

Além disso, ainda há quem assista aos desfiles da Sapucaí, que começam à noite e acabam na manhã seguinte… Enfim, comemorações não faltam e, com isso, o entra e sai nos condomínios é grande, o que requer atenção redobrada, principalmente dos funcionários de portaria e zeladoria.

Ainda há aquelas pessoas que não gostam da “bagunça” e aproveitam esses dias para descansar. Por isso, para que a paz no condomínio seja mantida, todos devem ter respeito e bom senso, zelando pela boa convivência. De qualquer maneira, há algumas recomendações que ajudam nesse momento. Confira:

Aos condôminos e visitantes:

  • Nunca deixe as chaves do apartamento/carro na portaria ou com o zelador;
  • Ao sair, sempre verifique se portas e janelas estão bem trancadas;
  • Se você for viajar e precisa que alguém molhe plantas e/ou cuide de animais de estimação, entregue a chave a alguém de confiança, deixando, por escrito, ao síndico e à administradora, uma autorização, permitindo que a pessoa, identificando-se, entre no prédio e em sua unidade;
  • Ainda falando sobre quem vai ficar uns dias fora, se a viagem for um pouco mais longa, desligue a chave geral no quadro de força, além de fechar os registros de água e gás, evitando vazamentos.

Ao síndico e funcionários do prédio:

  • A segurança deve ser reforçada, inspecionando os circuitos de câmeras e alarme, caso o condomínio tenha esses equipamentos, garantindo que sua manutenção esteja em dia;
  • O rigor na entrada de pessoas estranhas no prédio deve ser maior, já que muitos bandidos se aproveitam desse período para realizar furtos e roubos;
  • No caso de hóspedes temporários (aluguéis por um curto período de tempo), eles devem ser devidamente identificados, com informações cedidas, previamente, pelo locador, ao síndico, que repassará aos funcionários do prédio;
  • As vagas de garagem devem ser constantemente fiscalizadas pelos funcionários, tanto as dos moradores, como as dos visitantes, evitando quaisquer irregularidades;
  • Nos condomínios com grandes áreas externas, um funcionário deve fazer rondas periódicas nesses locais, principalmente no período noturno;
  • Ao lidar, na portaria ou calçada do prédio, por qualquer motivo que seja, com foliões, que, nesse período, costumam perder um pouco a noção, tenha paciência, evitando discussões no caso de alguma ocorrência.

Nós garantimos que, com o auxílio das informações e sugestões que trouxemos nessa matéria, o seu condomínio, o síndico, os moradores, locatários, visitantes e os funcionários ficarão em paz, enfrentando os dias de folia com muito mais tranquilidade e alegria. #FicaADica